Análise de contrato: Shelby Harris

Saudações, torcedores dos Broncos! Hoje iniciaremos uma série de análises dos principais contratos firmados pelo Denver Broncos na offseason. Vamos ver como o GM George Paton estruturou os grandes contratos, começando pelo de Shelby Harris.

Em outros posts analisaremos os contratos de Justin Simmons e Ronald Darby e, ao final, tentaremos responder uma pergunta que apareceu algumas vezes nas redes sociais do MHBr: teria George Paton comprometido o Salary Cap de 2022 para reforçar o time em 2021? Assim preenchemos esse amplo vácuo de assuntos desta época do ano, enquanto entendemos melhor como os Broncos estão organizando seu elenco no curto e médio prazo. Lembrando que todos os valores apresentados estão em dólares norte-americanos: M significa milhões e k milhares de dólares. Os dados aqui utilizados foram extraídos dos sites Spotrac (link) e Over the Cap (link).

O contrato

Estes são principais pontos do contrato assinado entre Broncos e Harris:

  • Duração total de 3 anos;
  • Valor máximo de 27 M;
  • 9 M de média anual;
  • 15 M garantidos;
  • 9 M de bônus de assinatura.

Em primeiro lugar, a média anual de 9 M coloca Shelby Harris como o vigésimo primeiro iDL mais bem pago da NFL. Me parece algo bem razoável para um titular com a produtividade que Harris tem. Para se ter uma noção, desde 2017 ninguém tem mais passes desviados na linha de scrimmage: 21.

Tradução: ” Desde 2017, Shelby Harris lidera a liga em passes desviados com 21.”

Em segundo lugar, o valor garantido corresponde a apenas 56% do valor total do contrato. Se não é algo incomum na liga, ao menos indica que os Broncos podem se livrar do contrato antes de seu término. Para entender melhor isso, precisamos entender como foi estruturado.

A estrutura

O contrato de Shelby Harris está estruturado conforme a tabela abaixo:

Apenas para lembrar que o cap hit do bônus de assinatura é dividido igualmente pelos anos do contrato até o limite de cinco anos. Logo, o que vocês vêem na tabela é 9 M / 3 anos = 3 M ao ano.

A distribuição dos cap hits é o ponto que mais chama a atenção na estrutura. Harris contará apenas 4 M contra o Salary Cap deste ano, ao passo que custará 11 M em 2022 e 12 M em 2023. É uma distribuição bem desigual que claramente joga o peso do contrato para frente. Outro ponto importante é que 5 M do salário base em 2022 também está totalmente garantido. Basicamente, isso faz com que cortar Shelby em 2022 seja uma opção bastante remota, visto que deixaria 11 M em dead cap, correspondentes aos 5 M garantidos + 6 M dos bônus de assinatura em 2022 e 2023. Em outras palavras, não economizaríamos um centavo sequer (salvo com corte após 1º de Junho). Uma troca aliviaria a situação, já que o time que o adquirisse arcaria com esses 5 M, portanto nesta situação os Broncos economizariam o valor e ficariam somente com um dead cap de 6 M do bônus de assinatura. Ainda assim, algo salgado para Denver.

Já em 2023 a coisa muda de figura. Tecnicamente é um ano que os Broncos devem ou não ativar uma opção prevista no contrato. Se optarem por não ativar, George Paton libera 9 M no Salary Cap relativos ao salário base mais o bônus de elenco (dinheiro extra por fazer parte do elenco de 53). O dead cap seria de 3 M correspondentes ao valor do bônus de assinatura de 2023 e não haveria qualquer mudança nos valores por troca ou por corte após 1º de Junho.

Um adendo aqui: no passado, as opções previstas em contrato eram uma forma dos times conseguirem escolhas de Draft compensatórias mesmo “cortando” seus jogadores. Em um corte simples e puro, o time perdia o direito de receber a compensatória mas, ao simplesmente não ativar uma opção de contrato, tal escolha permanecia elegível. Com as mudanças no acordo entre liga e associação de jogadores (NFLPA), a situação mudou e, mesmo no caso de opção não ativada, os times ficam sem direito à escolha compensatória. Na minha visão, esse dispositivo atualmente atende apenas aos interesses do jogador, visto que a ativação da opção automaticamente garante um percentual do salário base naquele ano. Isso evita que o time segure o jogador por boa parte da offseason e corte o atleta após o Draft, por exemplo, sem pagar um tostão sequer a mais do que o já garantido no início do contrato. No caso de Shelby Harris, não há informações disponíveis sobre o montante garantido no momento da ativação do contrato.

O que o contrato significa para os Broncos

Basicamente, vejo que é um contrato que compromete o time ao jogador por pelo menos 2 anos, com uma saída fácil no terceiro e último. Embora uma troca seja viável em termos de cap no segundo ano, acredito que isso seja uma opção remota e de qualquer forma significaria que os Broncos gastariam 6 M para ver Shelby Harris vestir uma outra camisa. Vimos coisas inimagináveis esse ano, com Detroit Lions e Philadelphia Eagles engolindo dead caps enormes para se livrar de Matthew Stafford e Carson Wentz, respectivamente, mas não acredito que isso seja algo que um GM esperto deveria fazer com frequência. Portanto, acredito que veremos Shelby desviar passes na linha de scrimmage por mais 2 anos em Denver.

Os valores do contrato são bem justos para um jogador da capacidade e idade (30 anos) do Harris, ao meu ver. Creio que os valores são justos para ambos os lados, incluindo o montante de garantias.

Shelby Harris assinou um contrato com valores bastante justos para sua produção em campo. Créditos: ESPN.

Por fim, é notável que George Paton tirou boa parte do peso sobre o Salary Cap deste ano empurrando-o para frente. Isso mantém os Broncos como o segundo time com mais cap space no momento com algo entre 29 M e 34 M (dependendo da fonte da informação). Estamos atrás apenas do Jacksonville Jaguars. Veremos que esse expediente foi usado também em outros contratos e pode ter sido uma forma de manter espaço para um QB estelar.

Abaixo, segue um vídeo que gravei explicando e comentando o contrato de Shelby Harris e o que ele significa para os Broncos.

Análise de Contrato – Shelby Harris

Estas são minhas análises e impressões sobre o contrato de Shelby Harris. Deixem as suas nos comentários abaixo.

Se você quer produtos dos Broncos e da NFL, confira o site da First Down (link), parceira do Mile High Brasil.

E não se esqueça de seguir o Mile High Brasil no Twitter, no Instagram, se inscrever em nosso canal no YouTube e apoiar nosso trabalho pelo Apoia.se. Nos vemos em breve.

#GoBroncos