Pós-Jogo – Semana 16: at Los Angeles Chargers

Saudações nação laranja e azul! Em mais uma atuação de curinga (no sentido ruim da expressão) do QB Drew Lock e com a defesa mantendo a partida em aberto o quanto pôde, o Denver Broncos conheceu sua décima derrota, desta vez para o rival de divisão Los Angeles Chargers, pelo placar de 19 a 16. Vamos conversar sobre o jogo?

Preciso começar este texto com um desabafo: não aguento mais a montanha russa chamada Drew Lock como quarterback titular do Denver Broncos. Neste domingo, teve 24 passes completados de 47 tentados para 264 jardas, 0 TD, 2 INT e 1 TD terrestre, obtendo rating de 42.2. Se acompanhou a partida ou ao menos assistiu aos highlights, sabe do que estou falando: não é possível o tanto que Lock é instável no pocket, precipitando leituras e lançando patos mortos que se tornam interceptações.

A primeira interceptação no drive inicial do jogo foi terrível. O ataque estava marchando bem com Gordon pelo chão e por passes curtos, distribuindo bolas para Bellamy, Patrick e Hamler (que infelizmente sofreu concussão na única recepção que teve e ficou fora do resto da partida). Mas, na red zone, Lock teve a brilhante ideia de executar um passe em movimento para Hamilton. Resultado? Interceptação na endzone. Esta foi a décima quarta interceptação do QB, que ainda lançaria mais uma em uma tentativa falha e desesperada de hail mary no final do jogo.

Mas a culpa não será dada 100% ao Lock. Não por mim, pelo menos. A equipe em um todo sofreu demais com drops, principalmente Jerry Jeudy com um total de 5 passes que não conseguiu agarrar. Mesmo com 6 recepções para 61 jardas, os drops foram de passes que nos proporcionariam condições de mover as correntes em certos drives, o que foi extremamente péssimo pro andamento do jogo. E o que mais deixou a torcida enfurecida foi pela última declaração do atleta em seu perfil no Twitter:

Pelo menos depois da partida o calouro foi para a coletiva de imprensa virtual e assumiu a responsabilidade dos erros.

Para fechar o assunto ataque, os destaques individuais da partida foram DaeSean Hamilton (5 recepções de 9 alvos para 77 jardas), Noah Fant (6 recepções de 9 alvos para 65 jardas) e Melvin Gordon (16 carregadas para 79 jardas). E a OL merece menção honrosa pois fez uma boa partida na medida do possível, protegendo o QB e abrindo espaços para que o jogo fluisse.

No geral, a defesa do Broncos fez uma boa partida – mesmo sentindo a ausência de Bradley Chubb – mantendo o time vivo e lutando até o final para virar o placar ao nosso favor. Destaque para Ojemudia com 7 tackles (todos solo), Will Parks com 6 tackles (todos solo), Malik Reed e Dre’Mont Jones, responsáveis pela soma de 2 sacks da equipe mais 8 tackles (5 deles solo), 2 tackles for loss e 3 QB Hits, Josey Jewell com 5 tackles (todos solo), 2 tackles for loss e 2 passes desviados e Shelby Harris (não iria jogar pois sua mulher estava dando a luz ao seu quarto filho, mas decidiu entrar em campo) com 4 tackles (1 solo), 1 QB Hit e desviou 2 passes cruciais.

O destaque negativo fica por conta de DeVante Bausby, que permitiu 4 passes para 48 jardas, cometeu penalidade em uma 3rd & 5, garantindo o único first down automático da partida para o Chargers e perdeu 3 tackles. Foi substituído por Parnell Motley a mando de Fangio, que deixou claro seu descontentamento com a partida do CB na coletiva após o término do jogo.

Já o “time de especialistas” cedeu um grande avanço no kickoff da partida, fazendo com que o Chargers tivesse um bom posicionamento de campo e resultando em um FG. Além deste retorno cedeu outros 2, o que totalizou 103 jardas para o safety do Chargers Nasir Adderley. Já McManus errou um FG de 37 jardas (continua tendo crédito pelo que fez a temporada toda), mas converteu 3 FGs e um extra point. Sam Martin teve 3 punts que totalizaram 124 jardas, o que não é bom mas também não é ruim. O destaque positivo mesmo é para Diontae Spencer, que parece se consolidar cada vez mais como retornador do ST.

Conclusão desta partida: foi um jogo bem difícil de se assistir por vários motivos, que vão de Drew Lock, passam pelos drops, pela interceptação sofrida logo no primeiro drive do jogo e pelas falhas individuais em certas jogadas para citar o mínimo. Pensando na temporada perdida, agora é hora de pensar no futuro: testar jogadores, rever prioridades de renovação para ano que vem, pagar a quem deva se pagar, dispensar quem deva se dispensar, aguardar a volta daqueles que se lesionaram durante o ano e montar um plano para a temporada que vem, pois posso afirmar que esta onda de recordes negativos está deixando a torcida maluca a ponto de achar que devemos tankar uma temporada toda só para pegar jogadores bons (lê-se quarterback) no Draft. E aqueles que acompanham a NFL de forma racional sabem o quanto uma cultura negativa de derrotas afeta os atletas e a comissão técnica.

E vocês, torcedores? Quais são suas percepções sobre o jogo? Deixem nos comentários.

Aproveitem e sigam o Mile High Brasil no Twitter, no Instagram e apoiem nosso trabalho pelo Apoia.se.

Go Broncos!