Análise dos setores – Semana 7 – vs Chiefs

Saudações, torcedores dos Broncos! Perdemos e não foi nada bonito: 43 a 16 para os Chiefs. Vamos analisar o que deu certo e o que deu errado em cada um dos setores do time para tentar entender o motivo dessa triste derrota.

Os dados aqui citados foram extraídos da ESPN norte-americana (link aqui)

Ataque

Junto com o “time de especialistas”, o ataque foi o grande motivo da derrota de domingo. Assim sendo, vou começar mencionando os pontos positivos da unidade para depois descer a corneta. Uma das grandes deficiências da defesa dos Chiefs é parar o jogo corrido, especialmente zone runs por fora dos OT. Pat Shurmur não deixou isso barato e usou conceitos de zona em corridas durante toda a partida e com sucesso. Denver correu 33 vezes com a bola para ótimas 177 jardas, com média de 5,4 jardas por carregada e 2 TDs. Esse número de corridas corresponde a 45% dos snaps ofensivos, surpreendendo e calando mais uma vez este que vos escreve e mostrando que nosso OC reconhece a capacidade do nosso ataque terrestre, não se atendo a princípios que manteve durante toda a carreira. Não só isso, mas Shurmur também não se acanhou em sacar jogadas mais elaborados de seu playbook, como o belo TD de Drew Lock no primeiro tempo da partida (veja no tweet abaixo).

Outro ponto positivo foi a linha ofensiva. Sim, caros leitores, estou oficialmente removendo as aspas da OL (e repassando-as para o “ST”). A OL abriu bons buracos na defesa dos Chiefs para a corrida e deu tempo suficiente para Drew Lock lançar a bola, ainda que nem sempre com um pocket limpo. Os 3 sacks e os 6 QB hits cedidos foram mais por causa do nosso QB segurando a bola mais tempo que o necessário que falhas na proteção propriamente dita. A exceção talvez seja o sack de Chris Jones, que se aproveitou de uma bobeira de Lloyd Cushenberry. Parabéns para Mike Munchak, que vem fazendo bom trabalho com a unidade, transformando até Garrett Bolles em um genuíno LT de calibre.

Mas para por aí. Fora jogo corrido e OL, o ataque foi um show de horrores e entregou a paçoca diversas vezes na partida. O jogo aéreo foi completamente disfuncional, muito além do que mostra os números. Na folha de estatísticas, o que aparece são 24 passes completados de 40 tentados (60%) para 254 jardas (6,4 jardas por tentativa), 0 TDs e 2 INTs. A realidade é o que mostra o vídeo no tweet abaixo. Drew Lock teve muitas dificuldades em fazer a progressão de suas leituras, frequentemente segurando a bola demais e lançando em coberturas duplas, ao passo que muitas vezes havia um outro recebedor livre na mesma metade do campo em que a jogada se desenvolve. Notem que Noah Fant estava completamente livre para ganhar um caminhão de jardas, mas Lock prefere lançar para Jerry Jeudy completamente marcado. Não dá para culpar a chamada do OC em si e nem a OL, pois o pocket está limpíssimo. Isso foi a tônica da partida e mostra o principal ponto em que Lock precisa melhorar se quiser ser nosso QB no futuro: leitura do campo. Cada jogada tem uma progressão de leituras pré-determinada e Lock tem que ser capaz de fazer cada uma delas rapidamente. Caso contrário, os pontos em que exibe evolução, como trabalho de pés, mecânica e comando da linha de scrimmage serão em vão e as defesas conseguirão explorar suas tendências e fisgá-lo em armadilhas, como na pick six dos Chiefs. Ainda há tempo para melhoras e estamos avaliando o QB.

Fora Lock, outro problema foram as inúmeras falhas de execução do ataque, resultando em entregadas de paçoca constantes que simplesmente minaram qualquer chance de bater os Chiefs. KJ Hamler colocou um remo nas luvas e basicamente deu a bola na mão do adversário, gerando a segunda INT. O passe não foi bom, mas era uma recepção que um jogador de NFL tem que fazer. E o que dizer de Melvin Gordon? Um fumble soltando a carne em uma jogada praticamente morta e outro fumble num pitch ridículo em um flea flicker. Observem a jogada no vídeo abaixo. Simplesmente bizarro! Quatro turnovers e mais um retorno de kick off para TD (falarei sobre no “ST”) inviabilizam qualquer chance de vitória quanto a maioria dos times, quanto mais dos Chiefs de Patrick Mahomes. Se o ataque não parar de auto flagelar os Broncos, não há trabalho que consiga nos devolver ao rumo das vitórias! Vic Fangio e Pat Shurmur precisam trabalhar esse aspecto para permitir que esse time tenha chance de vencer partidas.

Defesa

Se vocês me dissessem antes da partida que a defesa anotaria 4 sacks, 6 tackles para perda de jardas, 7 QB hits e forçaria 1 turnover contra os Chiefs de Patrick Mahomes e que mesmo assim perderíamos de lavada, tiraria sarro da cara de vocês! Não é possível que algo do tipo acontecesse, mas o impossível tornou-se realidade. Vic Fangio e Ed Donatell fazem um trabalho excelente com essa unidade e não é de hoje. Nesse domingo quebraram mais um mito criado na NFL de que você tem que pressionar Patrick Mahomes sem chamar blitz ou irá te punir. Dêem uma olhada no vídeo abaixo. Fangio manda blitz de 6 jogadores, Mahomes não consegue ajustar as proteções e Bradley Chubb o janta com farofa! Não foi somente nessa jogada, mas blitzes foram chamadas em momentos chave, forçando erros fundamentais de Mahomes, que não converteu absolutamente nenhuma terceira descida (0 de 8)!

Palmas também para a secundária que anulou as principais armas dos Chiefs e permitiu somente 185 jardas totais pelo ar. Travis Kelce teve somente 31 jardas e Tyreek Hill 55 jardas, números incomuns e baixos perto daquilo que estes jogadores normalmente conseguem. E isso tendo que jogar mais em marcação mano-a-mano, dado que estamos mandando mais jogadores atrás do QB. Enfim, sou muito fã do trabalho feito na defesa e estou apenas repetindo o que já disse várias vezes (veja aqui). Vou até relevar o monte de carícias feitas em Clyde Edwards-Helaire no primeiro TD. É uma pena que um trabalho tão bom seja apagado por erros infantis de outras unidades.

“Time de especialistas”

Patético! É tudo o que tenho a dizer desse “ST”, que agora herda as aspas da OL até que deixe de ser uma unidade de mentirinha e torne-se uma digna de jogar a NFL. E acredito que isso só ocorra com a saída do nosso STC Tom McMahon, que está fazendo hora extra em Denver. Se tem alguma mudança na comissão técnica que precisa ser feita é tirá-lo do time. No tweet abaixo temos o fatídico retorno de kick off para TD dos Chiefs. Coberturas ridículas, quase formando um corredor seguro para o retornador, além de tackles no Gasparzinho. Junta isso com o monte de erros do ataque e está aí a receita de como jogar no lixo a melhor apresentação de uma defesa contra Patrick Mahomes nos últimos tempos. Fora outros erros como o fair catch pedido por KJ Hamler deixando a bola na linha de 1 jarda e o erro de PAT de McManus (mas esse tem algum crédito). Ao menos Sam Martin distribuiu botinadas com uma média de 53,7 jardas por punt. Isso é tudo o que tem de bom nesta “unidade”. Precisa melhorar muito e o quanto antes!

Conclusão

Fiquei muito pistola durante a partida, mas a verdade é que, parando para analisar a partida, o sentimento que tenho é de tristeza. Derrotas acontecem e estamos em um ano de transição, no qual analisar o desenvolvimento dessa equipe é mais importante, mas perder da forma como foi é muito triste. Levar uma lavada por cometer erros circenses e infantis é inadmissível e o tape dessa partida deve ser mostrado repetidamente aos jogadores até aprenderem o que não fazer. Isto tem acontecido sistematicamente contra os Chiefs, justamente o time que requer partidas perfeitas para ser batido. Dito isto, a avaliação do time e de Drew Lock não pode ser feita com base apenas em uma partida. Torcer é emoção, também sou torcedor e corneto, mas querer jogar tudo fora a cada derrota ou cravar que alguém é o “cara” a cada vitória são sentimentos que não devem durar mais que algumas horas após a partida. Se esse ano é sobre analisar Lock e outras peças do time, não faz qualquer sentido descartar qualquer um que seja após uma derrota doída, sendo que ainda temos 10 jogos pela frente e nem tudo está errado. Nenhuma avaliação pode ser baseada em flashes ou em uma partida apenas, seja para o bem ou para o mal, e devemos adquirir a maior amostragem possível dos jogadores antes de tomar qualquer decisão.

Estas foram as minhas observações sobre a partida de domingo contra os Chiefs. Escrevam suas impressões na seção de comentários. Nos vemos em breve. Go Broncos!