Análise dos setores – Semana 6 – @Patriots

Saudações, torcedores dos Broncos! Em uma belíssima apresentação da nossa defesa, batemos o New England Patriots em Foxborough por 18 a 12. Vamos analisar o que cada setor dos Broncos fez de positivo e de negativo para entender melhor esta vitória.

Os dados que discutiremos aqui foram obtidos do site da ESPN norte-americana (link aqui).

Ataque

As opiniões sobre o plano de jogo feito por Pat Shurmur para enfrentar os Patriots gerou um pouco de debate na nossa última live (veja aqui). Creio que é uma discussão natural, dado o modo como esse plano foi conduzido. Basicamente, nosso OC abusou de rotas verticais e passes longos, visando manter a defesa de Bill Belichick honesta e abrir oportunidades para o jogo corrido. Durante o primeiro tempo e parte do segundo a estratégia funcionou magnificamente, o que pode ser visto nos números do ataque por terra: 37 carregadas para 135 jardas, média de 3,6 jardas por carregada. Claro que o grande número de passes longos também geram números ruins no ataque aéreo. Drew Lock completou apenas 10 de seus 24 passes (42%) para 164 jardas (média de 7,6 jardas por passe), 0 TD e 2 INTs. Os números em si não são o ponto mais importante, na minha opinião, pois foram produtos de uma estratégia de jogo e de um número incrível de drops. O que me incomoda na verdade são dois aspectos.

Primeiro, o baixo aproveitamento na redzone. Mais uma vez tivemos um desempenho pífio com uma incrível marca de zero TDs anotados. Parece que Shurmur treinou tanto o jogo de passe vertical que se esqueceu de treinar conceitos mais horizontais para a zona mais curta do campo. Novamente, enfatizo: este problema acompanha Shurmur desde os tempos de New York Giants e ainda estou aguardando evolução neste quesito. O segundo aspecto é o porquê de ter seguido com esse plano de jogo no último quarto, quando precisávamos gastar relógio e não arriscar parar o relógio com passes longos. Estou estarrecido até agora com a chamada de passe longo com 3 minutos no relógio e em uma terceira descida! Dá uma olhada no resultado deste ato genial no vídeo abaixo. E, por mais que a chamada tenha sido horrenda, Drew Lock não pode lançar a bola onde não tem passe! Tim Patrick tinha marcação dupla e lançar ali resultou a INT. Como bem notou nosso apoiador Alessandro Pardal, dado que não tinha bola de check down ali, o ideal era fazer o scramble ou até mesmo deitar-se em posição fetal e aceitar o sack (alla Peyton Manning). No mínimo o relógio teria continuado a rodar ou forçaria os Patriots a gastarem um timeout. Enfim, nosso OC e nosso QB tem muito o que refletir nessa semana se querem anotar pontos suficientes para vencer Patrick Mahomes na próxima semana.

Por fim, a “linha ofensiva” novamente fez um bom jogo em termos de proteção ao passe, permitindo apenas 2 sacks e 4 QB hits. Destaque para Garrett Bolles que simplesmente jantou os EDGEs adversários com farofa. O ponto negativo aqui vai para o miolo da “OL” que não só permitiu pressão em algumas chamadas de passe, mas também permitiu muita infiltração no backfield no jogo corrido, resultando em 6 tackles para perda de jardas.

Defesa

Muitos disseram que a defesa “finalmente apareceu” e começou a engrenar. Se você acompanhou meus últimos posts (veja aqui e aqui), sabe que eu discordo disso. A defesa dos Broncos vêm jogando bem já há algum tempo e contra os Patriots foi apenas a primeira partida em que “ganhou sozinha”. Isso chama mais a atenção dos torcedores, o que é compreensível, mas o trabalho de Fangio e Donatell é bem feito já há muito tempo.

Contra os Patriots, a estratégia foi clara: já que a OL do adversário está remendada, vamos dominar a trincheira. Funcionou maravilhosamente bem e nosso front seven anotou 4 sacks, 8 QB hits e 7 tackles para perda de jardas. Os Patriots, que tradicionalmente tem um dos melhores ataques terrestres da liga, ficaram relativamente limitados nesse quesito. Tirando um scramble de Cam Newton, foram 24 carregadas para 79 jardas, média de 3,3 jardas por carregada, muito abaixo do que o ataque de Josh McDaniels normalmente anota. E o que falar de Shelby Harris?! Mais uma vez provou que merece ser pago e desviou mais 2 passes na linha de scrimmage, sendo que um deles resultou na linda interceptação de DeShawn Williams (confira abaixo).

E não dá para deixar de mencionar o quanto essa secundária está jogando bem. Com Fangio chamando blitz em quase 30% das jogadas, nossos DBs estão jogando mais em marcação mano-a-mano, sem permitir separação rápida dos recebedores e dando tempo para o front chegar no QB. Limitamos Cam Newton a 157 jardas, 0 TD e 2 INTs, uma das piores atuações do QB – comparável ao SB 50. Pressão no QB, jogo terrestre limitado e jogo aéreo minguado é a receita para vencer uma partida. Nem a pontuação baixa do ataque conseguiu impedir a vitória desta vez, portanto temos que dar os parabéns para nossa unidade defensiva.

Time de especialistas

Sem a tradicional trapalhada do ST, os Patriots não tiveram boas posições de campo. As coberturas de retorno de NE foram muito bem executadas pelos Broncos, à exceção de uma falta boba de PJ Locke. Sam Martin fez dois bons punts, sendo um deles dentro da linha de 20 jardas do adversário. Nossos retornos de kickoff não foram dos melhores. Foram dois retornos – um de Spencer e outro de Cleveland – para 28 jardas com média de 14 jardas por retorno, que nos colocaram bem atrás da linha de 25 do touchback. Sem os vídeos do All22 é difícil analisar, mas os números dizem que nossos retornos não estão sendo eficientes. Por fim, o que dizer de Brandon McManus? Este senhor chutou 6 FGs e acertou todos, incluindo uma bicuda de 54 jardas, e anotou todos os 18 pontos de Denver no placar. Só tenho a declarar que este é o jogador com o dinheiro mais bem alocado do elenco!

Estas são minhas considerações sobre a vitória sobre os Patriots, que considero ter sido chave para manter a chama dos playoffs viva em Denver. Deixe suas impressões na seção de comentários. Nos vemos em breve. Go Broncos!