Análise dos setores – Semana 1 – vs Titans

Saudações, torcedores dos Broncos! Começamos a semana 1 com uma derrota dolorosa por 16 a 14 contra os Titans em Denver. Vamos analisar cada um dos setores do time (ataque, defesa e special teams) e entender o que deu certo e o que deu errado.

Nosso editor André Rodrigues já destacou os destaques individuais da partida no BMF (link). A intenção desta nova coluna semanal é apresentar os principais dados de cada uma das três unidades dos Broncos (ataque, defesa e ST), analisando as unidades como um todo. Eventualmente, darei destaque a alguns jogadores, mas sempre frisando como estes impactaram na unidade como um todo. Na edição desta semana, utilizei dados da partida apresentados pela ESPN (link) e pelo Mile High Report (link).

Ataque

Após anos sofrendo com um ataque anêmico, um dos pontos de maior expectativa da noite era o novo sistema ofensivo comandado por Pat Shurmur. Historicamente, nosso OC chama jogadas de passe em pelo menos 60% dos snaps ofensivos, mas na noite de segunda feira isso mudou um pouco: dos 59 snaps ofensivos, apenas 33 foram passes (56%). Me parece que a intenção do OC era correr mais com a bola para tirar um pouco da pressão do ótimo pass rush dos Titans sobre nossa OL e manter o ataque mais tempo em campo. É bom lembrar que o adversário utiliza-se do mesmo expediente com Derrick Henry e cansou nossa defesa em alguns momentos.

Mas o ataque terrestre não foi lá uma maravilha. As 26 corridas resultaram em 107 jardas e 1 TD com média de 4,1 jardas por carregada, mas se tirarmos a big play de Melvin Gordon (25 jardas) o que temos são 3,3 jardas por carregada. Isso está bem no limiar entre fraco e mediano, o que me leva a duas observações sobre a causa: primeiro, a DL dos Titans é uma das melhores da liga. Segundo, nossas jogadas de redzone/goal line foram bem conservadoras. Shurmur utilizou muitos motions ao longo de todo o campo para confundir a defesa adversária, mas próximo à linha de gol sacou do meu playbook do Madden: formações estáticas, poucos play actions e tentativas frustradas de furar na marra uma DL de qualidade. Não por acaso, 3 dos 4 tackles para perda de jardas que cedemos foram na redzone. Trata-se aqui de um mal que acompanha Shurmur desde os tempos de Vikings (2017). É verdade que em 2020 o pouco tempo de treinamentos pesa a favor desse playbook simplificado, mas ficaremos de olho nas próximas semanas.

Já no ataque aéreo completamos 22 dos 33 passes tentados (66,7%) para 1 TD e confesso que gostei do que vi, principalmente na ausência de Courtland Sutton. Drew Lock foi muito bem lendo a defesa adversária e identificando blitzes, se livrando rapidamente da bola quando necessário ou fazendo scrambles. Isso permitiu que distribuísse bem a bola entre 10 recebedores, sendo Noah Fant o principal alvo com 5 recepções. Shurmur foi muito inteligente usando motions e colocando Lock em movimento, ajudando a OL a conter o pass rush adversário. Para se ter uma ideia, Lock completou 8 de 8 passes (1 TD) para 73 jardas quando em movimento no primeiro tempo e a OL se portou muito bem, cedendo ZERO sacks e pressão em apenas 17,1% dos snaps contra 22,7% do ano passado. O que faltou aqui foi ter uma resposta ao ajuste dos Titans que anulou Noah Fant no segundo tempo. Na ausência do melhor WR e com o melhor TE anulado, os demais recebedores pouco produziram, diminuindo a eficácia do jogo aéreo no segundo tempo.

Apesar do bom desempenho geral, o fato é que anotamos só 14 pontos, o que é muito pouco. Lock ainda precisa trabalhar para evoluir sua mecânica de pés para não perder passes bobos e conseguir uma melhor precisão nas bolas em profundidade. Além disso, fumbles (segura a carne Gordon!), diversos drops e dificuldade em converter quartas descidas ainda assombram essa jovem unidade, que precisa de muita consistência e eficiência para elevar o patamar dos Broncos.

Defesa

Por diversas vezes comentamos em nossas lives que a defesa dos Broncos tem condições de ser uma das melhores da liga. Nem as perdas de Von Miller e AJ Bouye (ainda no primeiro tempo da partida) mudaram esse panorama. Nossa DL foi monstra, deixando Derrick Henry com média de 3,7 jardas por carregada, com a corrida mais longa de apenas 13 jardas. Josey Jewell calou minha boca e fez uma excelente partida, assim como Alexander Johnson também eliminou qualquer dúvida de que pode liderar esse grupo e transmitir as chamadas. O fato de conseguirmos apenas 1 sack passa a impressão de que houve pouca pressão e penetração no backfield dos Titans pelo nosso front seven, mas a verdade é que os Broncos anotaram 3 tackles para perda de jardas e 7 QB hits.

Já nossa secundária apresentou uma boa e uma má surpresa. A boa surpresa é que os calouros Michael Ojemudia e Essang Bassey foram jogados aos leões e responderam de forma extraordinária. Ojemudia teve 1 passe defendido e Bassey, acreditem se quiser, teve 1 tackle para perda de jardas. Junto com Bryce Callahan, nossos CBs foram fundamentais para manter Tannehill com uma média pífia de 5,8 jardas por passe. E isso poderia ter sido ainda melhor não fosse a surpresa ruim da noite: a péssima partida de Justin Simmons. Três big plays dos Titans vieram de play action em que um recebedor realizava uma deep crossing route, que deveria ser fechada por nosso S. Simmons não o fez e permitiu Corey Davis ter uma noite de gala com 101 jardas. Além disso, no segundo TD dos Titans, Simmons errou completamente a cobertura deixando Jonnu Smith livre para anotar 6 pontos. De qualquer forma, confio muito em Simmons e tenho certeza de que este foi apenas um jogo fora do normal.

Outro ponto negativo foi que, apesar do bom desempenho defensivo geral, não forçamos nenhum turnover, o que é fundamental para fazer esta unidade subir de patamar.

Josey Jewell calou minha boca e colocou Derrick Henry para comer grama. Fonte: JJA Sports Studio

Special teams

Como é bom ter um Punter! Sam Martin distribuiu botinadas na noite de segunda, anotando uma média de 46,4 jardas por punt (56 no punt mais longo) e colocando 3 bolas dentro da linha de 20 do adversário. Que partida! Diontae Spencer não teve tantas oportunidades para retornar, mas protegeu bem a bola e conseguiu boas 8 jardas por retorno. Destaco aqui também as boas coberturas nos retornos dos Titans (em especial de Tyrie Cleveland e Malik Reed) e mais um belo FG bloqueado por Shelby Harris. McManus não teve oportunidade de chutar nenhum FG (por que será, né Fangio?), mas anotou os 2 PAT que chutou. O ST também foi uma grata surpresa e espero que a unidade não retorne à média pífia de desempenho do ano passado.

Sam Martin distribuiu bicudas em sua primeira partida em Denver. Que continue assim! Fonte: The Denver Post

Conclusão

O primeiro jogo da temporada reuniu muitas coisas boas, o que dá muita esperança de que estamos no caminho certo para construir um time que brigue por SB daqui algum tempo. Entretanto, precisamos de maneira urgente eliminar os erros bobos que nos custam vitórias como fumbles, drops e, principalmente, erros mentais de gerenciamento de jogo. Gosto muito do trabalho que Fangio vem fazendo, mas não pode cometer os mesmos erros que custaram o cargo de VJ (pelo amor de Deus, não estou comparando trabalhos). Precisamos finalizar as partidas e deixar a morte por polegadas no passado.

Estas são minhas principais análises dos três setores do time. Deixe suas impressões na seção de comentários. Nos vemos em breve.

Go Broncos!