Ring of Famer – Mike Shanahan

Saudações torcedores e torcedoras do laranja e azul de Denver! Uma das maiores injustiças do Ring of Fame do Denver Broncos, que honra pessoas que tiveram papéis significativos na história da franquia, finalmente será desfeita. Mike Shanahan, por muitos considerado como o maior técnico da história dos Broncos, foi eleito este ano e será introduzido em 2021. Vamos ver um pouco mais sobre essa lenda que ajudou a levar os dois primeiros títulos para Denver.

Primeiros anos e início como treinador

Mike Shanahan nasceu em Oak Park, Illinois, em 24 de agosto de 1952. Jogou futebol americano no high school e no college, quando foi quarterback da Universidade de Eastern Illinois e sofreu uma grave lesão em um treino. Ao tomar uma pancada, um de seus rins foi rompido, o que causou uma parada cardíaca.

Assim, sua carreira como jogador foi abruptamente interrompida. Uma porta se fechou e outra se abriu. Após se formar, Shanahan se juntou à coaching staff da Universidade de Oklahoma como assistente ofensivo e depois foi para Northern Arizona como técnico de running backs.

Em 1978, voltou à sua universidade para ocupar pela primeira vez o cargo de coordenador ofensivo e levou o time ao título da segunda divisão do College. Numa ascensão meteórica, foi para a Universidade de Minnesota em 79 e logo após pros tradicionais Gators, onde foi OC entre 1980 e 1983.

Início meteórico na NFL

A primeira oportunidade de Mike Shanahan na NFL veio em 1984 sob o então head coach dos Broncos, Dan Reeves – que também é parte do Ring of Fame do time. Curiosamente, este foi o ano em que Pat Bowlen comprou os Broncos e, um ano depois, teve a chegada de John Elway.

Shanahan a princípio chegou como treinador de wide receivers, mas foi promovido no ano seguinte para o cargo de coordenador ofensivo. Em 1988 recebeu sua primeira oportunidade como head coach, no então Los Angeles Raiders, mas a passagem não durou nem duas temporadas completas.

Ele então retornou a Denver como técnico de quarterbacks e posteriormente retomou o cargo de OC em 1991, quando acabou demitido por Reeves em meio a uma disputa entre o HC e John Elway.

Nos 49ers, Mike Shanahan seguiu construindo seu nome como um dos treinadores jovens mais promissores da liga. Sob a tutela do head coach George Seifert, o que o coloca na árvore de Bill Walsh, venceu seu primeiro Super Bowl na temporada de 1994.

O retorno

No lado dos Broncos, Reeves tinha sido demitido depois da temporada de 1992. Foi substituído pelo nosso amado Wade Phillips, que não teve um bom desempenho como head coach e perdeu o controle do time após apenas duas temporadas no comando.

Os Broncos tinham uma vaga aberta na posição de head coach e um técnico jovem que tinha acabado de vencer o Super Bowl como OC, tendo uma vasta proximidade com a franquia depois de anos como treinador assistente em Denver.

Era o casamento perfeito para tirar os Broncos de uma sequência de temporadas frustrantes em que o time não conseguia montar um time campeão em torno de seu franchise quarterback. Shanahan também chegou com mais poderes, tendo um cargo executivo ao mesmo tempo em que liderava o time na lateral de campo.

No primeiro ano como head coach, os Broncos draftaram o running back Hall of Famer Terrell Davis na sexta rodada e adicionaram Rod Smith como undrafted, que seriam jogadores de destaque no ataque nos anos seguintes. O time teve o recorde de 8-8, que mesmo decepcionante, foi melhor que o 7-9 da temporada anterior.

Então, uma sequência vitoriosa foi iniciada. Entre 1996 e 1998, os Broncos quebraram o recorde de vitórias em um intervalo de 3 anos, tendo 46-10 no período, baseado num ataque equilibrado, com um jogo corrido fortíssimo e um quarterback Hall of Famer vivendo os últimos anos da carreira.

Em 1996 os Broncos voltaram a se classificar para os playoffs e, com um recorde de 13-3 venceram a divisão, feito que não rolava desde 1991. Mesmo perdendo na primeira partida da pós-temporada, o caminho parecia promissor para Shanahan e os Broncos.

A glória eterna

O ano era 1997 e Mike Shanahan ajudaria os Broncos a realizar os sonhos de toda a torcida do time laranja do Colorado. Após uma campanha 12-4, os Broncos chegaram aos playoffs em janeiro de 98 porém via Wild Card, já que os Chiefs terminaram 13-3.

O caminho foi difícil, mas os Broncos se tornaram um dos raros times de Wild Card a chegar no Super Bowl. Só havia um caso de time de Wild Card a conquistar o título e os Broncos se juntaram à eles, após bater os super favoritos e atuais campeões Green Bay Packers de Brett Favre. Mike Shanahan havia levado os Broncos ao topo da NFL pela primeira vez.

Back to back

Mas não parou por aí. John Elway tomou a decisão de retornar para uma “última dança” em 1998, assim como outra estrela de outro esporte fez naquele mesmo ano. Elway sofreu com lesões, mas com o sistema de Shanahan totalmente implantado, o nível foi mantido.

Shanahan levou os Broncos para o patamar de favoritos, terminando a temporada com um recorde 14-2, mesmo com Bubby Brister sendo o quarterback titular em 4 partidas (e vencendo as 4) naquela temporada.

Entre a temporada de 1997, a pós temporada de 1997 e a temporada de 1998, os Broncos não souberam o significado de derrota por 18 partidas consecutivas, na época um recorde. Só na semana 15 os Broncos souberam o que era perder, mas mesmo sem a chance da temporada perfeita, é como se tivesse sido.

Os Broncos chegaram como favoritos ao Super Bowl e bateram os Falcons com tranquilidade para dar o terceiro anel a Mike Shanahan e o segundo a John Elway, que se aposentou após o título.

Pós-Elway e TD

A glória de dois Super Bowls ficou marcada pra sempre na história dos Broncos e uniu a franquia e o técnico para sempre. Mas a trajetória dele em Denver estava apenas começando. Shanahan ficou no comando dos Broncos por mais 10 temporadas e se tornou quase um sinônimo da franquia.

Depois de perder o franchise QB pra aposentadoria e o RB Hall of Famer para lesão, Shanahan levou os Broncos novamente aos playoffs em 2000 com Brian Griese como signal caller. Entre 2003 e 2005, ajudou os Broncos a chegarem aos playoffs em todas as temporadas com Jake Plummer.

Nos 14 anos à frente dos Broncos, Shanahan teve os 4 últimos anos da carreira de John Elway, Brian Griese em seus 4 primeiros anos como titular, tirou o melhor de Jake Plummer nos 4 últimos anos de carreira e teve Jay Cutler em seus dois primeiros anos como titular.

No período, os Broncos só tiveram duas temporadas com recorde negativo, foram aos playoffs em sete temporadas, chegaram às finais de conferência em três ocasiões, aos Super Bowl em duas e levaram o Lombardi Trophy para Denver em ambas.

Marcas na franquia

Mike Shanahan. Ilustração: Bruno Venancio/Mile High Brasil

Mike Shanahan mantém os recordes da franquia de total de vitórias (146), vitórias em temporada regular (138) e nos playoffs (8) e vitórias em Super Bowl (2).

Ainda é o quarto da história da franquia em porcentagem de vitórias na carreira e apenas um de 13 técnicos em toda a história da NFL a vencer dois Super Bowls.

Ninguém liderou os Broncos da sideline por mais tempo que Mike Shanahan, com um total de 14 temporadas. Como técnico assistente, esteve em Denver por mais sete temporadas, que incluem cinco idas aos playoffs e três aparições em Super Bowls.

É difícil encontrar argumentos pra dizer que Mike Shanahan não é o maior técnico da história do Denver Broncos. Foi extremamente vitorioso, mudou a imagem e a atitude da franquia, desenvolveu e deu sua cara a um sistema tradicional (West Coast Offense), que reverbera até hoje na liga. Nas palavras de Joe Ellis:

Mike Shanahan é o maior técnico da história do Denver Broncos e está entre os técnicos mais vencedores de todos os tempos. Ele trouxe um padrão e intensidade inigualáveis como head coach, liderando esta franquia às duas primeiras vitórias em Super Bowl e transformou os Broncos em contenders perenes. Poucos técnicos tiveram mais impacto em uma organização – tanto como head coach, quando como assistente – do que Mike Shanahan no curso das suas duas décadas com os Broncos. Nós estamos entusiasmados que Mike foi eleito ao Ring of Fame dos Broncos. Mesmo que adiar a introdução tenha sido uma decisão difícil, ele merece uma celebração completa na frente de todos os nossos fãs e alumni distintos. Junto com nossos fãs, nós mal podemos esperar para honrar o coach Shanahan durante nosso Ring of Fame e fim de semana dos alumni em 2021.

John Elway se pronunciou com um vídeo em seu Twitter com a legenda “Parabéns, Mike!! Ninguém é mais merecedor de ser um Ring of Famer dos Broncos!

O próprio Mike comentou a sua eleição ao Ring of Fame dos Broncos:

É uma honra tremenda ser eleito ao Ring of Fame dos Broncos. Quando você reflete sobre as coisas que nós conseguimos alcançar como um time, isso começa com os jogadores, técnicos e staff que nos ajudaram a chegar lá. Eu sou grato por todas essas relações e por como nós trabalhamos juntos com um objetivo: vencer campeonatos. Passar 21 anos com uma organização de primeira classe onde tudo é sobre vencer foi especial. Foi uma ótima corrida. Eu sou grato a Pat Bowlen – o melhor dono dos esportes – pode ter me dado a oportunidade. Foi um privilégio treinar os Broncos com o incrível apoio da comunidade de Denver e todos os fãs. Eu me orgulho em compartilhar esta honra do Ring of Fame com todos que ajudaram a fazer isso acontecer.

Mike Shanahan, o maior técnico da história da franquia, vive em Denver até hoje. E agora será eternizado pelo time onde venceu campeonatos e ajudou a criar uma cultura vencedora.