O Salary Cap dos Broncos em 2020

Saudações, torcedor dos Broncos! Mais um ano se passou e mais uma vez estamos fora dos playoffs, assistindo a NFL do sofá. A off-season começou mais cedo e a primeira parada para construir os Broncos de 2020 é a Free Agency! Nos últimos anos, nós do Mile High Brasil trouxemos a situação do Salary Cap de Denver e não será neste ano que deixaremos de fazer isto. Vamos conferir quanto de grana teremos para fazer renovações e novas contratações.

Como sempre, aviso que boa parte dos cálculos foram feitos por mim. Não sou formado em contabilidade nem em qualquer outra especialidade financeira, portanto me desculpo antecipadamente por qualquer erro. Estas análises sempre são feitas de maneira simples para que você possa entender melhor como funciona o processo. Os dados aqui presentes foram extraídos dos sites Spotrac e Over The Cap. Há constante atualização, portanto se você abrir os links e existir algo diferente do que mencionar aqui, saiba que as coisas são bastante fluidas neste período e os dados mudam rapidamente. Os números apresentados estão em dólares americanos e usei a notação M para milhões. Vamos aos cálculos!

O nosso Cap Space hoje

Nosso Cap Space é determinado pelo Salary Cap base da liga (divulgado anualmente pela NFL), menos os gastos ativos da equipe na temporada e o Dead Money, que corresponde ao dinheiro garantido em contratos que foram encerrados antes do término e ainda não descontados do Salary Cap. O Spotrac estima que o Salary Cap em 2020 será de 199 M, mas sou mais generoso e acredito que a liga chegará à marca de 200 M. Além disso, temos uma sobra de 12,7 M do Cap Space de 2019, proveniente da reestruturação do contrato de Joe Flacco. Entendeu agora por que essa reestruturação trouxe quase zero de prejuízo para os Broncos? Se não entendeu, releia este post do nosso editor LH Almeida. Voltando ao assunto principal, Denver tem o direito de adicionar esta sobra ao Cap de 2020 – é o chamado rollover – de modo que temos 200 M + 12,7 M = 212,7 M. Este é o nosso Cap Space inicial.

Desse valor, precisamos extrair o valor total dos contratos ativos do nosso elenco. Aqui vale um lembrete: durante toda a off-season vale a regra do Top 51. Assim, somente os 51 maiores salários da equipe contam para o cálculo do Cap Space até que os 53 jogadores do elenco sejam definidos em setembro. Os 51 maiores salários do Denver Broncos hoje contabilizam 150,8 M. John Elway conta com a ajuda de um especialista em Salary Cap: Mike Sullivan. Juntos, eles fazem um dos melhores trabalhos em termos de minimizar Dead Money (a qualidade das contratações é outra conversa), de forma que temos apenas 0,5 M de Dead Cap. Logo, nosso Cap Space inicial é de 212,7 M – 150,8 M – 0,5 M = 61,4 M. Quem nos acompanhou nos anos anteriores sabe que não temos tudo isso para contratações, já que queremos reter alguns de nossos Free Agents e precisamos ter espaço para assinar os calouros de 2020. Então vamos prosseguir com os cálculos.

Mantendo nossos Free Agents

Os Broncos possuem três categorias de Free Agents: Unrestricted Free Agents (UFA), Restricted Free Agents (RFA) e Exclusive Rights Free Agents (ERFA).

UFAs

Os UFAs podem negociar livremente seus contratos com qualquer equipe quando a Free Agency começar, a menos que os Broncos usem a Franchise Tag em alguém. Nossa lista de UFAs nesta temporada é bem grande: Chris Harris Jr., Derek Wolfe, Shelby Harris, Theo Riddick, Casey Kreiter, Adam Gotsis, Cyrus Jones, Jeremiah Attaochu, Corey Nelson, Justin Simmons, Devontae Booker, Connor McGovern, Dymonte Thomas, Will Parks e Joel Heath.

Na minha opinião, Connor McGovern, Justin Simmons e um DL entre Wolfe e Harris deveriam ser renovados. Isso manteria a base atual da equipe e daria aos Broncos uma maior flexibilidade para contratações novas e escolhas no Draft. Destes, eu acredito que Simmons receberia a Franchise Tag caso um acordo de extensão não seja atingido até a abertura do mercado em Março. De qualquer forma, como os contratos de UFAs são livremente negociados e o Cap Hit de cada um deles é difícil de estimar, não vou assinar ninguém neste momento.

RFAs

Os RFAs podem negociar contratos com outras equipes, mas os Broncos tem a opção de colocar tender neles, adquirindo o direito de igualar a oferta ou ser compensado com uma escolha de Draft caso não queira exercer este direito. As tenders são de três tipos: primeira rodada, segunda rodada e rodada original. Ao colocar uma tender de primeira rodada em um jogador, se não quisermos igualar uma oferta pelo jogador, recebemos uma escolha de primeira rodada do time que o contratar. No caso de uma tender de segunda rodada, receberíamos uma escolha de segunda rodada. Já para a tender de rodada original, receberíamos uma escolha equivalente a rodada em que o jogador em questão foi draftado. Note que, no caso de jogadores não-draftados que recebem uma tender de rodada original, o time não recebe nenhuma escolha em troca caso não queira igualar a oferta. As tenders implicam em um salário totalmente garantido ao jogador. De acordo com o Over The Cap, os valores seriam de 4,7 M para tender de primeira rodada, 3,3 M para segunda rodada e 2,15 M para rodada original.

Nossos RFAs este ano são: DeVante Bausby, Elijah Wilkinson, Joe Jones, Mike Purcell, Brandon Allen, Tim Patrick e Dadi Nicolas.

Ao meu ver Bausby, Purcell e Tim Patrick são renovações obrigatórias e Wilkinson, por mais atroz que seja, oferece versatilidade como OT e OG, sendo uma peça interessante de se ter no time. Vou colocar aqui tenders de rodada original em todos ao custo de 2,15 M cada. Note que todos são undrafted, portanto teríamos somente a opção de igualar uma eventual oferta à eles, sem receber escolhas em troca. Não creio que sejam jogadores que vão atrair muita atenção no mercado. Como os Broncos já possuem mais de 51 jogares com contratos ativos, pela regra do Top 51, um salário mínimo de cerca de 0,51 M seria devolvido ao nosso Cap Space. Portanto, cada RFA descontaria do Cap 2,15 M – 0,51 M = 1,63 M, totalizando 6,52 M para os quatro.

ERFAs

Se o Denver Broncos assim desejar, os ERFAs não podem negociar contratos com outras equipes. Para exercerem esse direito, os Broncos devem colocar tenders neles, que custarão cerca de 0,6 M. Como cada ERFA tiraria um salário mínimo da contabilidade do Cap Space, cada um custaria meros 0,6 M – 0,51 M = 0,09 M.

Nossos ERFAs em 2020 são: Devontae Harris, Trey Marshall, Diontae Spencer, Jake Rodgers e Quin Bailey. São jogadores baratos, com pouco impacto no Cap e não vejo porquê não assinar com eles. Farei isso com todos ao custo total de 0,09 M x 5 = 0,45 M.

Assinando nossa classe de calouros

É obrigatório que todos os times possuam Cap Space suficiente para assinar seus calouros. De acordo com o Spotrac, se os Broncos fizerem as 12 escolhas que têm direito, o valor total de salários seria de 10,9 M – a chamada rookie pool. Agora preste atenção, pois você verá este erro em vários sites, inclusive norte-americanos: isto não significa que precisamos de 10,9 M no nosso Cap Space para assinar nossa classe de calouros! Como já temos mais de 51 jogadores, cada salário de calouro devolve um mínimo ao Cap. Alguns nem contam, pois muitas escolhas de terceiro dia recebem menos que o mínimo de veteranos. Para facilitar nossa vida, o Over The Cap possui uma fórmula bastante interessante para calcular a quantidade de Cap Space necessário:

Cap Space necessário = Rookie Pool – (0,51 M x nº de escolhas)

Logo, nossa classe consumirá 10,9 M – (0,51 M x 12) = 4,78 M do nosso Cap Space.

O nosso Cap Space no Top 51

Após assinarmos os calouros, RFAs e ERFAs, teremos o seguinte valor de Cap Space:

61,4 M – 4,78 M (calouros) – 6,52 M (RFAs) – 0,45 M (ERFAs) = 49,65 M

Este é o valor que temos para renovações e novas contratações em 2020: cerca de 20 M a mais que no ano passado. Mas a reestruturação de Joe Flacco nos ensinou algo valioso que sempre comento nestes posts de análise do Salary Cap.

E o que acontece após fecharmos o elenco de 53 jogadores?

Resposta curta: mais valores serão descontados do Cap Space. Eles incluem os jogadores 52 e 53, os jogadores do Practice Squad (PS), os jogadores da Injury Reserve (IR) além de um valor destinado à NFLPA (National Football League Players Association) para desenvolvimento de jogadores.

O PS custa cerca de 1,75 M. A IR depende de quem estará lá. Quando o jogador é colocado na IR (ou PUP list), o valor de seu contrato continua contando no Salary Cap, bem como o de seu substituto. Esse substituto costuma ser de um jogador barato (em geral um contrato de 0,51 M) ou um veterano que joga pelo mínimo. Vou reservar o valor arbitrário de 3 M para a IR, mas saiba que este pode variar bastante. Já a reserva da NFLPA é de cerca de 0,8 M no Salary Cap. Desta forma, após fecharmos o elenco de 53 jogadores, nosso Cap Space será de 49,65 M – 1,75 M (PS) – 3 M (IR) – 1,02 M (jogadores 52 e 53) – 0,8 (reserva NFLPA) = 43,08 M. Essa é a grana limpa que temos para renovações e contratações.

Creio que seja mais que o suficiente para renovar Simmons, McGovern e um DL, além de contratar 2 ou 3 jogadores de impacto. Mas lembre-se que, se o time gastar todo o Cap do Top 51, precisará fazer ajustes em algum contrato para liberar espaço. Foi o que aconteceu em 2019 com Joe Flacco. Os Broncos estavam cerca de 1 M negativo no Cap Space e a solução encontrada foi reestruturar o contrato de Flacco. Como o Dead Money de um eventual corte dele sob o novo contrato (13,6 M) é muito próximo da sobra de Cap do ano passado (12,7 M – o rollover), essa reestruturação teve um “custo” de apenas 0,9 M no Salary Cap de 2020 e foi necessário para cobrir o valor negativo.

Àqueles que chegaram até aqui: meus agradecimentos. Vocês têm uma paciência enorme para aguentar esses cálculos. Deixem seus comentários sobre a expectativa para a Free Agency de 2020. Em breve, virão novos posts sobre como gerar mais Cap Space e como usar bem a grana para renovar e contratar novos jogadores. Até lá. Go Broncos!