Cortes e trocas 2020: como gerar Cap Space para os Broncos

Saudações, torcedor dos Broncos! Já vimos o quanto de Cap Space os Broncos terão em 2020, mas pode não ser suficiente para montar o time que desejamos. Hoje, vamos conferir quais cortes ou trocas o time pode fazer para liberar mais grana para contratações.

Se você acompanhou nosso post semana passada, viu que após assinar com alguns Free Agents, com os calouros e fazer provisões para quando a temporada começar, os Broncos teriam aproximadamente 43,08 M (milhões de dólares americanos) para renovar contratos e assinar com novos jogadores (veja aqui). Caso John Elway deseje aumentar esse valor, ele pode optar por cortes, trocas ou reestruturações de contratos vigentes. Neste post, vamos conferir quem são os principais candidatos a estes tipos de operação e quanto Cap Space cada um geraria.

Para começo de conversa, algumas explicações. Nos anos anteriores (links aqui e aqui), já explicava o funcionamento das reestruturações e porque não fazê-las com jogadores que você espera cortar no futuro: gerar Cap desta maneira agora, significa Dead Cap alto em caso de corte mais para frente. O caso de Joe Flacco é uma exceção, pois a reestruturação foi um movimento neutro em termos financeiros (veja a explicação do nosso editor LH Almeida aqui). Os Broncos não dispõem de nenhum contrato muito alto de jogadores que temos certeza que manterão por muito tempo. Von Miller seria o alvo, mas já foi reestruturado uma vez e possui um Cap Hit demasiadamente alto em 2021 para empurrar mais Cap para frente. Talvez seja um caso a ser revisitado em 2021, quando poderemos pensar em uma extensão. Portanto, vou focar aqui em cortes e trocas. Obviamente, muitos dos nomes citados não valem uma marmita sem mistura como moeda de troca, mas o objetivo aqui é mostrar o impacto financeiro das operações.

Por fim, duas observações. Primeiramente, estamos no último ano do Collective Bargaining Agreement (CBA) assinado em 2011, que é o acordo coletivo feito entre a associação de jogadores (NFLPA) e a NFL que rege salários, contratos e outros aspectos financeiros. Como um novo CBA ainda não foi acordado para 2021, a regra do 1º de junho – que permitia diluir o Dead Money de um corte por mais de um ano – está inválida. A segunda observação é que Mike Sullivan, que era o negociador dos Broncos e gerenciava nosso Salary Cap de forma competente, teve seu contrato encerrado e não renovado. Isso pode indicar que John Elway quer ser mais agressivo na Free Agency. Então vamos ver como dar mais grana ao nosso GM.

Na mira da faca: principais cortes a fazer

Ao cortar um jogador, a economia de Cap gerado corresponde ao seu Cap Hit neste ano menos o Dead Money do contrato (que nada mais é que o valor do dinheiro garantido em contrato que ainda não foi descontado do Salary Cap). Em caso de troca, o time que adquirir nosso jogador assume a parte do Dead Money correspondente ao dinheiro ainda não pago. O dinheiro já dado ao jogador pelos Broncos, que em geral corresponde ao bônus de assinatura, continua contando como Dead Money para os Broncos em caso de troca. Na minha visão, estes são os três cortes mais prováveis em 2020.

Joe Flacco, QB

Levanta a mão quem não cortaria este senhor! Péssima liderança, jogador medíocre e com um Cap Hit de 23,65 M. Ou Joe Flacco é cortado ou John Elway deveria ser escorraçado de Denver. Como todos os 13,60 M de Dead Money de seu contrato correspondem ao bônus de reestruturação já pagos pelos Broncos, trocar ou cortar este sujeito implica em uma economia de 10,05 M. Por favor John Elway, passe a faca! Ou ache algum louco disposto a pagar 10 M para Flacco em 2020.

Elite? Acho que não. Fonte: Sports Illustrated.

Ron Leary, OG

Leary tem alternado desempenhos bons com atuações medíocres, mas seu maior problema é o alto número de lesões. Simplesmente não esteve disponível para o time durante toda a temporada. 2020 é um ano optativo para os Broncos em termos de seu contrato: se o clube não ativar esta opção, não precisa arcar com o Cap Hit de 9,31 M e ainda pode receber uma eventual escolha compensatória de Draft em 2021 caso Leary assine com outra equipe. O Dead Money por não ativar a opção seria de apenas 0,88 M, sem diferença no caso de troca. Portanto, não manter Leary gera 8,43 M em Cap Space. No caso de Connor McGovern não aceitar uma renovação de contrato ou os Broncos não o desejarem, vejo uma mínima possibilidade de mantermos Leary para não desmontar uma boa parte da nossa “Linha Ofensiva” (não, eu ainda não tirei as aspas). Mike Munchak é conhecido por montar excelentes OL com jogadores não tão badalados, então Ron seria um dos meus cortes.

Todd Davis, ILB

Ao contrário de muitos, acho que Toddynho cumpriu mais do que se esperava dele dado suas limitações. De qualquer modo, é óbvio que poderíamos contar com um upgrade na posição e nos livrarmos dos 6 M do Cap Hit de seu contrato em 2020 ajudaria muito na aquisição de um ILB melhor. Este também é um ano de opção para os Broncos no contrato de Davis e não ativá-la implicaria em 1 M de Dead Money e, portanto, uma economia de 5 M. Não há diferença em caso de troca.

Desta forma, cortar estes três jogadores geraria 23,48 M em Cap Space, totalizando 66,56 M limpinhos para renovações e contratações em 2020.

Cortando geral: e se quisermos fazer a limpa no elenco?

Se o leitor pensou em outros nomes além dos três acima, parabéns! Você faz parte dos 100% do total de torcedores dos Broncos que também pensaram. Desta forma, trouxe aqui mais alguns possíveis cortes nas rodas de conversa.

Jeff Heuerman, TE

Heuerman finalmente passou uma temporada saudável e foi útil aos Broncos, principalmente no quesito bloqueios e também agarrando alguns passes. Ele contará 4,38 M no Salary Cap de 2020 e cortá-lo ou trocá-lo deixa apenas 0,5 M em Dead Money, economizando 3,88 M. Acho um jogador interessante em se ter no elenco, mas como Pat Shurmur (nosso novo OC) joga menos com formações com dois TE e há outras opções interessantes no elenco, Jeff pode acabar fora de Denver.

Garett Bolles, LT

Este é disparado o nome mais popular ao corte neste ano. Bolles tem um Cap Hit de 3,51 M e cortá-lo ou trocá-lo custa 1,54 M em Dead Money, resultando em economia de 1,97 M. Particularmente, acho uma proporção Dead Money / economia muito alta e que não vale a pena se desfazer dele. Ok, Bolles jamais se justificou como escolha de primeira rodada e é especialista na aplicação de mata-leão (ou holding no jargão do futebol americano) mas a Free Agency não conta com opções boas na posição. Mesmo que consigamos coisa melhor no Draft, o salário de Bolles ainda seria compatível com o de um OT reserva, então ele poderia ser nosso swing tackle. Juntando prós e contras, acho melhor aguentar mais um ano dele.

Eu sei que Bolles é o rei do mata-leão, mas acho melhor aguentarmos por mais uma temporada. Fonte: Clutch Points.

Brandon McManus, K

McManus não foi mal em 2019, mas já não é mais aquele K confiável. 2020 será o último ano de seu contrato com um Cap Hit de 4,25 M. Corte ou troca incorre em 1,25 M de Dead Money, gerando 3 M em Cap Space. Não é corte certo, mas eu traria competição para ele na próxima temporada.

Colby Wadman, P

Wadman terá um Cap Hit de apenas 0,66 M este ano e cortá-lo ou trocá-lo por um pão com manteiga (seco, sem café) economiza os mesmos 0,66 M, pois não há Dead Money. Sei que não pesa nada em termos financeiros, mas acho que Colby deveria estar chutando traseiros bovinos bem longe de Denver.

Certo, caro leitor, estes são os meus candidatos à faca de 2020. Acha que esqueci de alguém? Deixe suas sugestões nos comentários e aproveite para nos dizer quem você cortaria. Nos vemos em breve. Go Broncos!