RP – Hall of Fame Game 2019

Saudações torcedores e torcedoras do laranja e azul de Denver! A NFL está de volta! Chegou a época do ano em que assistimos vidrados a rookies e jogadores que estarão desempregados em algumas semanas lutarem por um espaço na liga. E os Broncos começaram mais cedo, com o Hall of Fame Game. Vamos ver um pouco do que aconteceu na partida.

Pedras no caminho

Poucas horas antes do início da partida, vazou a notícia de que Vic Fangio, head coach dos Broncos, estava no hospital sendo tratado para pedra nos rins e que havia a possibilidade de que sua tão antecipada estreia como head coach na liga teria que ser adiada.

Mas logo depois, foi divulgado que Fangio tentaria estar na sideline por seu time, apesar das dores enormes que quem já teve pedra nos rins diz ter sentido. E lá estava Fangio, fazendo sua presença ser sentida no jogo com uma atuação dominante da defesa e já colocando, de certa forma, sua marca na NFL.

É que ele foi o primeiro head coach a lançar a flanela desafiando uma interferência de passe de Lindon Stephens, que rendeu aos Falcons 44 jardas de ganho de território. O desafio de interferência de passe é uma nova regra da NFL e Fangio disse em uma entrevista dias antes do HoF Game que seria o primeiro a desafiar essa falta. Dito e feito. No entanto, a marcação de campo foi mantida.

Fangio segue acumulando respeito de seus jogadores, dando tudo de si para estar em campo. Sinceramente, já sou muito fã do nosso novo head coach old school. Após o jogo, ele abriu o discurso no vestiário dizendo que “Mr. Bowlen está sorrindo olhando para baixo”.

Underdogs

Quando você é um rookie na NFL, mesmo que seja não-draftado, sempre há aquela expectativa de que, quem sabe, pode haver algo mais ali do que se pensava. Mas quando não há destaque na primeira temporada e o jogador é cortado e já chega ao time novo como o cara que foi cortado por outra franquia, a expectativa da torcida costuma despencar.

Khalfani Muhammad e Trey Johnson não são rookies. Eles são esses caras que chegaram sem nenhum alarme, não chamaram tanta atenção assim até aqui. Muhammad até teve seu destaque nos treinos, mas running back é uma posição difícil de avaliar sem todo o contato de um jogo.

Os Broncos anunciaram Theo Riddick, que chega para ocupar a posição de terceiro RB no time, mas Muhammad teve um jogo em que mostrou indícios de que pode ser alguém na liga.

Ele foi uma pick de sétima rodada dos Titans e passou sua rookie season entre o practice squad e o roster ativo do time, mas acabou cortado em 2018 e assinou com os Patriots, de onde foi cortado após a preseason. Em dezembro ele entrou para o practice squad dos Broncos e em janeiro assinou um contrato futuro com o time.

Muhammad teve 7 carregadas para 50 jardas e 1 TD (7.1 jardas por carregada) e recebeu 4 passes para 24 jardas.

A atuação que parece não estar recebendo tanto crédito quanto eu acharia justo é a do cornerback Trey Johnson, que chegou em Denver em abril após passar sua rookie season em 2018 na lista de lesionados (IR) dos Steelers.

Johnson teve três passes desviados, incluindo um na endzone, impedindo um touchdown dos Falcons na campanha em que a defesa dos Broncos forçou um field goal curto. Ele também teve a única interceptação do jogo, primeira de sua carreira, e no último drive do jogo, quando os Falcons buscavam marchar até a endzone dos Broncos para buscar a vitória, ele fez um tackle espetacular na sideline, impedindo o recebedor de completar uma recepção longa.

Draftados tem atuação mista

Noah Fant não teve a melhor das atuações em seu primeiro jogo como um Bronco. O TE de primeira rodada parece meio fora de forma e anda tendo problemas com drops nos camps, o que se traduziu para o jogo, onde ele teve três targets e uma recepção.

Seu primeiro target resultou num drop horroroso, mas Hogan e Scangarello insistiram em Fant na jogada seguinte e ele teve sua primeira recepção na NFL. Ele também foi alvo de Drew Lock em uma jogada mais longa onde ele correu uma boa rota, mas a bola acabou sendo longa demais e Fant pareceu mais lento que o normal.

Por outro lado, ele mostrou valor como bloqueador em algumas jogadas, apesar de ter exagerado em uma que resultou numa flag por holding, voltando uma corrida longa de Muhammad.

Risner não teve destaque em seu primeiro jogo na NFL. O que é bom! Ele foi bastante sólido jogando em dois drives, incluindo contribuições no bloqueio do primeiro TD do jogo.

Drew Lock teve uma atuação digna de um rookie. Ele parecia nervoso quando entrou em campo, perdeu alguns recebedores abertos, sofreu dois sacks em seguida.

Mas teve algumas boas jogadas como um bootleg saindo para a esquerda vendendo bem o playaction resultando em um first down para Nick Williams e um passe perfeito numa rota wheel para David Williams que teria sido para um grande ganho se Williams não tivesse dropado o passe. No final, ele lançou 7/11 para 34 jardas, 0 TD, 0 INT e uma corrida de 6 jardas.

Dre’Mont Jones entrou no segundo tempo de jogo absolutamente destruindo o ataque adversário. Ele teve 3 tackles solo, 1 tackle for loss e estava no rosto do QB em praticamente toda jogada, inclusive tendo sido o responsável pela pressão em Schaub que levou a um passe ruim interceptado por Trey Johnson.

Justin Hollins teve uma ótima atuação, jogando alinhado como OLB e ILB, indo para a blitz e surpreendendo o QB adversário. A versatilidade de Hollins está sendo amplamente explorada, com ele parecendo estar em todos os lugares do campo e se mostrando extremamente explosivo fazendo jogadas.

Por último, Juwann Winfree teve um começo de jogo difícil. Se a primeira impressão é a que fica, vocês só lembrarão do drop horrível de Winfree que matou o primeiro drive do ataque. Mas nesse caso eu fico com as últimas impressões, com a enorme concentração, controle de corpo e ligação entre olhos e mãos que ele mostrou na última jogada do ataque, uma quarta descida para 15 jardas, descendo com a bola para a vitória do time em um touchdown digno de poster. Esperamos que tenha sido o primeiro de muitos. Potencial tem aí, e muito.

De olho nos não-draftados

Se me pedissem para apostar num rookie não-draftado para ter ser um dos destaques do jogo, eu provavelmente escolheria um dos receivers, Trinity Benson ou Kelvin McKnight ou o RB Devontae Jackson. Mas foi do outro lado da bola que o maior brilho veio, na figura de OLB Malik Reed.

Reed, junto com Dre’Mont Jones, deve ser a estrela dos pesadelos dos QBs de Atlanta até hoje. Ele estava o tempo todo no backfield adversário, se mostrando extremamente disruptivo ao colocar em suas stats 4 tackles, 1 sack, 1 tackle for loss e 1 QB hit. Se ele continuar mostrando esse nível de tape, não é difícil imaginá-lo conseguindo um lugar no roster, com o depth na posição de OLB não sendo dos melhores.

Benson e o TE Austin Fort, que eram nomes de quem se esperava muito nesse jogo, dado o hype criado durante os training camps, tiveram performances apagadas. Kelvin McKnight foi o único a conseguir um bom retorno de punt, retornando 18 jardas um chute e fazendo um fair catch seguro em uma segunda tentativa de retorno.

Outras observações

  • Brendan Langley parece ter prejudicado ainda mais suas chances para um espaço no time. O caminho para ele seria os special teams, já que como receiver, foi colocado no final do depth chart. Mas em sua primeira e única oportunidade até aqui de retornar um punt, ele se viu muito recuado para um chute curto e decidiu correr 15 jardas para receber e correr. Acabou deixando a bola cair após tocá-la. Bola recuperada pelos Falcons.
  • Kevin Hogan se mostrou preciso e calmo nos drives em que esteve em campo. Ele foi prejudicado por drops de Winfree e Fant, mas soube superar isso e, com ajuda dos running backs, principalmente Muhammad, guiou os Broncos na campanha para o primeiro TD da partida.
  • A defesa de Vic Fangio já pareceu sensacional com os jogadores de segundo e terceiro times. Os quarterbacks adversários foram pressionados constantemente, foram testadas algumas blitzes e a cobertura segurou bem. A falha mais gritante foi no TD dos Falcons, quando um recebedor foi deixado sozinho na flat.

E vocês, torcedores e torcedoras? O que acharam do jogo?