Conhecendo a classe do Draft de 2018 dos Broncos

Saudações, caro torcedor do Denver Broncos! O Draft de 2018 da NFL terminou e a franquia do Colorado fez 10 escolhas durante as 7 rodadas do evento. Denver também assinou com 8 jogadores não-draftados. Vamos conhecer um pouco mais sobre a nossa classe e como ela pode contribuir para a equipe.

Lembrando que já apresentamos aqui nossa escolha de primeira rodada, Bradley Chubb. Vamos apresentar agora nossas escolhas de segundo e terceiro dias, além de comentar rapidamente sobre os não-draftados (UDFA – undrafted free agent).

Segundo dia

Segunda Rodada

Escolha #40 – Courtland Sutton, WR, SMU: Nascido em 10 de Outubro de 1995, Sutton começou a jogar Futebol Americano como TE e S em sua cidade natal, na Brenham High School, Texas. Recebeu diversas propostas de recrutamento para o College Football e acabou indo para a Southern Methodist University (SMU). Durante suas quatro temporadas na SMU, anotou 195 recepções para 3220 jardas (média de 16,5 por recepção) e 31 TD. Com 1,90 m e quase 99 Kg, Courtland tem o porte de um WR dominante na NFL. Tem boas mãos e uma excelente capacidade de conseguir recepções contestadas ou em tráfego. Além disso, é agil e veloz para bater a maioria dos CB em rotas Go. Seu maior ponto fraco é correndo rotas. Não é um route runner polido e não consegue muita separação dos marcadores, apesar de sua velocidade. Se melhorar neste aspecto, o céu é o limite para Sutton.

Nosso novo WR deve ter impacto imediato no nosso ataque, seja como recebedor de posse em alguns pacotes de ataque ou alvo na Redzone. A médio prazo, deve ser o substituto de Demaryius Thomas ou Emmanuel Sanders e tem todas as ferramentas para ter sucesso como WR1 ou WR2 na NFL. Ótima escolha dos Broncos.

Terceira Rodada

– Escolha #71 – Royce Freeman, RB, University of Oregon: nascido em 24 de Fevereiro de 1996, Freeman iniciou no Futebol Americano em sua cidade natal, Imperial, na Califórnia. Foi recrutado pelos Oregon Ducks, onde se tornou um dos RB mais produtivos da história do College Football. Disputou 51 jogos e teve 947 carregadas para 5621 jardas (média de 5,9 por carregada) e 60 TD. Também 79 recepções para 814 jardas 4 TD. Se você gosta de números e produtividade, caro leitor, Royce Freeman é o seu RB! Com 1,80 m e 106 kg, o homem é um tourinho! É um exímio corredor do tipo Norte-Sul com imensa capacidade de ganhar jardas após o contato e muita paciência para achar os buracos na defesa adversária. Tem uma baixa taxa de fumbles e potencial para ser um RB de três descidas na NFL, visto que faz um bom trabalho recebendo a bola. Entretanto, não é muito elusivo, não dribla muito seus adversários, e não tem uma velocidade final de elite. Freeman lembra você de alguém? Para mim, lembra muito o CJ Anderson, mas com muito mais potencial saindo do College.

Royce Freeman certamente terá impacto desde o primeiro dia nos Broncos. É um excelente complemento a Devontae Booker e deve disputar carregadas com este como RB1 ou RB2. Muitos gostariam de outros RB nesta escolha, mas eu posso garantir que Freeman foi a melhor escolha na #71.

– Escolha #99 – Isaac Yiadom, CB, Boston College: Nascido em 20 de fevereiro de 1996, Yiadom iniciou como jogador na Doherty Memorial High School, em sua cidade natal Worcester, MA. Foi recrutado pela Boston College em 2014, onde conseguiu 110 tackles , 22 passes defendidos3 interceptações e 1 fumble forçado. Tem 1,85 m e 86 kg. Portanto, é alto para um CB (mesma altura de Talib), mas vai precisar adicionar uns 4 ou 5 kg de músculo. É excelente em off coverage e em marcação em zona, conseguindo identificar muito bem as rotas adversárias e contestando os passes sempre. Até por ser magrinho, tem dificuldade em press coverage e em marcação individual, além de não ter ball skills (vide alto número de passes defendidos, mas baixo de interceptações) e velocidade de elite.

Yiadom deve disputar snaps como CB4 com Brendan Langley e tem potencial para substituir Aqib Talib como o Big Guy da defesa. Mas isso é a longo prazo. De imediato, deve contribuir imensamente no Special Teams (ST). Isaac foi um dos Gunners mais prolíficos do College, sendo uma maquininha de tackles. Deve substituir Cody Latimer em uma das funções mais importantes do ST, principalmente com Marquette King em Denver. Essa dupla tem tudo para colocar os ataques adversários com as costas na própria Endzone.

Terceiro dia

Quarta rodada

– Escolha #106 – Josey Jewell, ILB, University of Iowa: Nascido em 25 de Dezembro de 1994, Jewell começou a jogar na Decorah High School, em Decorah, Iowa. Foi recrutado pelo Iowa Hawkeyes e teve números impressionantes na carreira no College. Foram 50 jogos com 437 tackles28 tackles for loss10 sacks6 interceptações, sendo uma retornada para TD. Tem 1,85 m e 107 kg. Uma pouco baixo para LB, mas é forte. É uma máquina de tackles, tem um QI esportivo altíssimo, boas leituras e reação nas jogada, sendo bastante efetivo na cobertura. Não tem o atleticismo de um LB moderno da NFL, podendo ser atropelado por OL e deslocado por TE em passes disputados. Por isso, deve começar como Buck (o ILB mais protegido pela linha defensiva) no sistema de Denver.

Jewell deve disputar snaps com Todd Davis e não me surpreenderia se virasse titular a curto prazo. Entretanto, inicialmente deve contribuir no ST. É uma peça de substituição excelente para a saída de Corey Nelson, com ótimo potencial para ser titular no futuro.

– Escolha #113 – DaeSean Hamilton, WR, Penn State: Nascido em 10 de março de 1995 em Okinawa (sim, o cara é japonês!), Hamilton começou no Football na Stafford Mountain View High School, na Virgínia. Foi recrutado pela Penn State University, onde disputou 53 partidas no College. Anotou 214 recepções para 2482 jardas (média de 13,3 por recepção) e 18 TD. Tem 1,85 m e 92 kg. É considerado um dos melhores route runners da classe e tem boas mãos e estatura para ganhar bolas contestadas. Por isso, é projetado como um Slot WR na NFL. Também é acima da média bloqueando para o jogo corrido. Entretanto, não tem atleticismo e velocidade para conseguir muita separação ou ser uma ameaça em bolas longas e no outside.

Muitos consideram que ele deveria ter saído um pouco mais tarde, mas é possível entender o que os Broncos viram nele. Hamilton é uma aposta para ser um Slot WR mais alto que a média, disputando posição na rotação com Carlos Henderson e Isaiah McKenzie, ambos com estatura menor e que não correm tão bem rotas.

Quinta rodada

Durante o Draft, os Broncos trocaram a escolha #149 com Seattle em troca da #156 e da #226. Também trocaram a #160 com os Rams, recebendo #183 e a #217.

– Escolha #156 – Troy Fumagalli, TE, Wisconsin: Nascido em 17 de fevereiro de 1995, Troy teve uma constrição de banda amniótica no parto, o que forçou os médicos a amputarem parcialmente o seu indicador da mão esquerda. Isto nunca o impediu de receber passes e começou a jogar na Aurora Waubonsie Valley High School, Illinois. Foi recrutado pela University of Wisconsin, onde disputou 47 jogos e anotou 135 recepções para 1627 jardas (média de 12.1 por recepção) e 7 TD. Tem 1,96 m e 112 kg, medidas bastante adequadas para a posição. É um jogador muito inteligente, corre boas rotas e consegue achar espaços nas zonas adversárias, ainda que não tenha habilidade atlética e velocidade de elite. Tem boas mãos e excelente envergadura para ganhar recepções contestadas. Também é um bom bloqueador para o jogo corrido. É o TE equilibrado para todas as situações. Nossos amigos do OnTheClock tinham uma nota de segunda rodada para ele, considerando essa escolha uma steal!

Fumagalli disputará espaço em nosso grupo de TE com Austin Traylor, Jeff Heuermann e Jake Butt. Um grupo jovem, mas promissor. Deve participar bastante da rotação e permitirá aos Broncos jogarem mais vezes em formações com 2 TE, mantendo as defesas honestas e tentando adivinhar se uma jogada é de corrida ou passe.

Sexta rodada

– Escolha #183 – Sam Jones, OG, Arizona State: Nascido em 21 de Fevereiro de 1996, Jones é um nativo do Colorado. Nasceu e cresceu em Highlands Ranch. Foi recrutado pela Arizona State University, onde jogou em todas as posições de linha ofensiva. Tem 1,96 m e 138 kg. É atlético e se move muito bem para um jogador de linha ofensiva, chegando bem ao segundo nível em jogadas de corrida. Entretanto, não tem força suficiente para parar jogadores de linha defensiva com consistência. Até por isso, é projetado como C na NFL.

Ao que me parece, Sam Jones vem inicialmente apenas para compor a rotação da linha ofensiva. Se de fato se tornar C na liga, pode ser moldado para substituir Matt Paradis com o tempo ou ser seu reserva.

– Escolha #217 – Keishawn Bierria, ILB, Washington: Nascido em 26 de Julho de 1996 em Carson California, Keishawn iniciou no esporte na Los Angeles Narbonne High School. Foi recrutado pela University of Washington, onde disputou 50 jogos no College. Anotou 240 tackles, sendo 19,5 for loss7,5 sacks4 passes defendidos4 fumbles forçados7 fumbles recuperados. Tem 1,85 m e 104 kg. Bierria tem claras limitações atléticas, como tamanho, força e falta de velocidade de elite, que certamente vão tornar sua vida difícil na NFL. Entretanto, possui uma inteligência e percepção acima da média. Consegue reconhecer com excelência jogadas de corrida e passe, screen passesmisdirections e, mesmo sem ter muito atleticismo, está sempre na jogada. Não à toa, é o jogador que mais forçou e recuperou fumbles em Washington nos últimos tempos.

Keishawn é uma escolha que me intriga, pois tem todo o aspecto mental de elite e atleticismo de quem jamais estará na NFL. Se dedicar-se à parte atlética, tem uma chance real de estar no elenco de 53. Caso contrário, é mais um candidato ao PS.

Sétima rodada

– Escolha #226 – David Williams, RB, Arkansas: Nascido em 17 de Junho de 1994, Williams começou a jogar com RB em sua cidade natal, na Philadelphia Imothep High School, Pensilvânia. Começou sua carreira no College na South Carolina University, mas teve poucas oportunidades e se transferiu para a University of Arkansas em 2017. Pelas duas universidades, disputou um total de 41 jogos. Anotou 1450 jardas em 304 carregadas (média de 4,8 jardas por carregada) e 13 TD. No jogo aéreo, teve 37 recepções para 435 jardas (média de 11,8 jardas por recepção) e 2 TD. Tem 1,85 m e 104 kg. É alto para os padrões de RB e um ótimo corredor norte-sul. Tem paciência para achar os buracos e seus braços longos o ajudam a manter os adversários afastados, conseguindo algumas jardas preciosas após o contato. Entretanto, não tem habilidade de fintar e é lento. Tem potencial para ajudar no jogo aéreo, mas deve ser utilizado inicialmente só em descidas curtas e situações de goal line.

Williams adiciona uma característica diferente ao nosso grupo de RB. É o tipo brocador para ganhar uma ou duas jardas pelo meio das trincheiras. Mas não me parece ter muitas condições de chegar aos 53 finais. A menos que o time decida abandonar o FB de vez, abrindo mão de Janovich para adicionar um quarto RB.

Uma observação importante sobre nossa classe, é que todos estas escolhas foram capitães de equipe e exemplos de liderança e ética de trabalho. Parece haver uma clara orientação de perfil por partes dos Broncos para melhorar o vestiário. Outro ponto, é que em anos anteriores John Elway priorizou atleticismo nas escolhas tardias, confiando que aprenderiam a parte mental para a NFL. Não deu muito certo, e agora ele está apostando em inteligência esportiva sobre atleticismo. Talvez confie que a equipe de condicionamento físico de Denver possa colocar estes jogadores em um nível atlético adequado à NFL.

UDFA

Ainda não é oficial, mas os Broncos assinarão com 8 jogadores não-draftados.

  1. Phillip Lindsay, RB, Colorado
  2. Jimmy Williams, WR, East Carolina
  3. Trey Marshall, DB, Florida State
  4. Lowell Lotulelei, DL, Utah
  5. Jeff Holland, OLB, Auburn
  6. Leon Johnson, OT, Temple
  7. Austin Schlottmann, OL, TCU
  8. John Diarse, WR, TCU

Destes, Phillip Lindsay e Jeff Holland são os maiores candidatos a tentar uma vaga no elenco. Ambos estavam cotados para serem draftados e foram excelentes adições dos Broncos. Os demais devem disputar uma vaga no PS. Para manter o elenco com 90 jogadores, Denver cortou o K Taylor Bertolet e o DL Jhaustin Thomas.

Obrigado por nos acompanhar até aqui, caro leitor. Eu gostei muito de nossa classe. Ela tem potencial para ser a melhor da era Elway, mas só teremos a resposta em dois ou três anos. Deixe suas impressões na seção de comentários. Nos vemos em breve! Go Broncos!