O Dia Seguinte - Bears

O Dia Seguinte – Preseason 1 @ Bears

Olá, amigo leitor e torcedor do Denver Broncos. Quando eu conseguir fazer um RP imediatamente após os jogos do Broncos nesta temporada, no dia seguinte, sairá esta nova coluna, que analisa o jogo de forma mais elaborada o que de melhor — e pior — aconteceu na partida. Vamos lá?

O Dia Seguinte À Vitória Sobre o Chicago Bears

O jogo contra o Chicago Bears pode ser resumido em uma sigla criada por Stephen King em seu ótimo livro (também um bom filme) O Apanhador de Sonhos: SSDD. Significa, basicamente, “Todo dia a mesma coisa.”

Com um minuto de partida, mesmo sem Miller, Ray e Barrett, nossa defesa mostrou que continua em forma. No segundo snap do Chicago Bears, Darian Stewart colidiu fortemente com um recebedor adversário, forçando um passe incompleto. No snap seguinte, Kasim Edebali forçou Mike Glennon a lançar um passe torto, que caiu no colo de Chris Harris Jr. O melhor CB da liga agradeceu e retornou a interceptação 50 jardas para a endzone.

Por outro lado, nosso ataque continua sofrendo dos mesmos problemas do ano passado. Trevor Siemian foi sackado logo em seu primeiro snap, numa pressão vinda da direita. O defensor deu um tapa na mão de Menelik Watson e foi direto para cima de Siemian que, por sua vez, não sentiu a pressão e não deu um passo à frente no pocket. Depois desse sack, porém, Siemian achou um certo ritmo, acertando 6 dos 7 passes, para 51 jardas (média de 7,3 jardas por passe). O melhor passe de Trevor foi um que não contou, no qual ele lançou a bola com maestria na esquerda para Emmanuel Sanders, que só não recebeu porque sofreu interferência. Infelizmente, não resultou em nada, porque Watson tinha cometido falta na jogada, e tudo foi anulado.

Ajudado por 34 jardas em faltas defensivas, Siemian conduziu a equipe a um Field Goal, e deixou o campo vencendo por 10 a 0.

Paxton Lynch entrou em seguida, e teve um pouco mais de tempo que Siemian, mas também acertou seis passes, só que tentou nove, para 42 jardas (média de 4,7 jardas por passe). Lynch falhou em conduzir a equipe a qualquer campanha de pontuação, e deixou o campo com o Broncos perdendo por 14 a 10.

Lynch ainda tentou correr 4 vezes para 11 jardas.

Kyle Sloter entrou no último período e, jogando contra o terceiro time adversário, acertou 5 de seus 6 passes para 94 jardas (média de 15,7) e 1 TD. Diga-se a verdade, 47 dessas jardas foram no TD que lançou a Isaiah McKenzie, que simplesmente ignorou que havia outros jogadores em campo e correu livre para marcar o TD. Sloter também conduziu a equipe a outro drive de Touchdown, embora o mérito deva ser dividido entre ele e De’Angelo Henderson, que pode ter conquistado seu lugar no elenco só com o desempenho nessa partida.

Analisando com mais atenção, as duas linhas titulares parecem muito melhores do que ano passado. Antes de Billy Winn sair de campo lesionado, cedemos apenas 2,8 jardas por tentativa de corrida, o que foi nosso grande problema. Já a linha ofensiva conseguiu empurrar o adversário e abrir espaço para o jogo corrido, além de conseguir se segurar bem contra o passe, dando um pocket mais limpo para nossos QBs. É verdade que Watson foi mal protegendo contra o passe, mas abriu caminho para boas corridas.

O calouro Garret Bolles não pareceu calouro, tendo conseguido se manter bem no lugar, e dificilmente sendo batido. Além disso, mostrou a atitude que fez com que Elway o selecionasse, ao não aceitar desaforo de um DE adversário que tentou intimidá-lo. E fez isso sem partir para a agressão.

Destaque positivo na OL também para Ty Sambrailo, que jogou bem e não foi empurrado para trás, mostrando aparentemente traduzir em jogo o que os treinos mostraram. Gostaria de vê-lo testado do lado direito, mas não acredito que acontecerá.

CJ Anderson correu apenas 5 vezes com a bola, mas arrancou 21 jardas nessas corridas, mostrando estar recuperado. Stevan Ridley conseguiu apenas 17 jardas em 8 corridas, mas mostrou muita luta e, enquanto a 2ª OL estava em campo, conseguiu corridads melhores. Mas o destaque mesmo fica para De’Angelo Henderson, que mostrou a velocidade que todos queriam ver, além dos movimentos ágeis que quase quebraram os tornozelos dos defensores adversários.

No corpo de recebedores, Cody Latimer mostrou grande evolução em relação ao ano passado, salvando Lynch em ao menos três passes que foram lançados altos demais. Cody recebeu os 7 passes dos quais foi alvo, somando 54 jardas neles. Kalif Raymond também mostrou velocidade na única recepção que teve, ganhando separação e 24 jardas no caminho.

O destaque negativo do jogo aéreo fica por conta dos Tight Ends. Só dois passes foram lançados na direção deles, um para Scheu, outro para Derby, e nenhum deles recebeu.

Já pelo lado da defesa, é interessante ver a profundidade. Jamal Carter Sr. parece o grande candidato a calouro não-draftado que chegará ao elenco de 53. Liderando o time em tackles, com 6, tendo 1 QB hit e tendo recuperado o fumble no snap errado do Bears, ele com certeza será melhor observado nas próximas partidas. Olho também nos genéricos de Stewart (Orion) e Chris (Lewis-)Harris. Shakir Soto também merece atenção especial, e o vejo conseguindo no mínimo uma vaga no PS.

Quem me decepcionou um pouco foi Adam Gotsis. Ele parece não conseguir ainda mostrar toda a força que supostamente tem, e semepre é empurrado para trás. DeMarcus Walker cometeu duas faltas por offside, algo natural para alguém que está se adaptando a uma posição nova, mas conseguiu o único tackle for loss da equipe na partida, depois de se acertar.

Se for para balancear, tivemos 6 passes desviados, 2 deles na linha de scrimmage, mas nenhum sack, apesar de 4 QB hits. Precisamos chegar mais no QB, mesmo com os reservas em campo.

De triste, fica a notícia de que Billy Winn, que era um importante jogador para a rotação da DL, saiu machucado, chorando de maca, e a grande suspeita é de que tenha rompido o ligamento anterior colateral do joelho direito, o que significa fim de temporada para ele, se for confirmado. Ele passará por uma ressonância hoje, para ter a certeza.

No time de especialistas, destaque positivo para Kalif Raymond, que em um retorno conseguiu apenas 6 jardas a menos que Carlos Henderson em seus 3, e colocou o Broncos em boa posição para a campanha do TD derradeiro. Henderson, por sinal, foi para a partida concentrado demais em não soltar a bola, e o fez em dois dos três retornos que teve. Infelizmente, Isaiah McKenzie não teve oportunidade de mostrar sua velocidade, já que todas as vezes que recebeu a bola, tinha gente em cima dele. Brock Olivo terá de trabalhar bem as duas unidades do ST, tanto a que bloqueia para o retorno quanto a que impede retornos adversários.

Brandon McManus acertou seu FG de 38 jardas e os 3 Extra Points, enquanto Riley Dixon continua sendo um punter consistente, conseguindo uma média de 42,8 jardas por punt. Todos os seus punts tiveram ótimo hangtime e teriam deixado o adversário em posição ruim de campo, não fosse por nossa unidade de cobertura ter deixado três deles serem retornados.

Como ficou a competição de QBs

A batalha mais importante do elenco não ficou nada resolvida. Nada mudou.

Trevor Siemian parece ser o mesmo do ano passado, à exceção de ter arriscado um pouco mais, e seus passes parecerem ter um pouco mais de toque. Além do supracitado passe para Sanders, anulado por PI, ele teve um belo passe para DT, para conseguir as exatas 11 jardas que precisava para mover as correntes. Ainda tivemos um passe numa terceira descida que foi duas jardas atrás da marca necessária, mas é difícil saber se o erro foi dele ou do Taylor, em não conseguir separação. Eu teria de ver o All-22 para ter certeza.

Já Paxton Lynch não mostrou nada que me convença de que tem condições de ser titular este ano. Ele parece nervoso no pocket, seu trabalho de pés não está bom, e em três das quatro corridas dele, ele saiu do pocket logo depois da primeira leitura. Precisa trabalhar melhor nas progressões, escanear melhor o campo, em vez de correr ao primeiro sinal de perigo. Também ficou claro, comparando com Mitchell Trubisky, que o atleticismo dele precisa de desenvolvimento. Ele não parece confortável, e pareceu ser o calouro dos dois. Ainda é cedo para dizer que é bust, como alguns já vêm clamando, mas precisamos ficar de olho em como será o desempenho dele nos treinos e no jogo contra o San Francisco 49ers.

Aos que começaram a entrar no trem da hype do Kyle Sloter, favor desembarcar, porque esse trem não prestará serviços. Como dito acima, metade das jardas conseguidas foi em um passe, e contra jogadores que estarão bem longe da NFL em setembro. O terceiro QB é sempre o favorito da galera, especialmente quando há uma competição. É só se lembrarem de que havia quem queria Zac Dysert disputando uma vaga de titular, mesmo com Peyton Manning no elenco. O que ele mostrou é que pode ser um jogador interessante para ser colocado no Practice Squad, mas ainda está bem longe de ameaçar Trevor ou Paxton.

#GoBroncos!