The Time Line – Pat Bowlen

Saudações torcida do Broncos de Mile High. A coluna The Time Line que vocês já conheceram chega a sua terceira parte. Nas duas primeiras falamos do fundador Robert Howsam e sobre a fantástica Orange Crush original e, agora, avançamos no tempo para chegar até Pat Bowlen um dos maiores nomes na história do Denver Broncos.

Nos primeiros anos de sua história, nosso time esteve nas mãos de Robert Howsam, fundador e dono da franquia apenas por um breve período; e de Gerald Phipps, que esteve à frente por vinte anos (1961 a 1981). A Orange Crush esteve unida quase até o fim do período de Phipps como dono da franquia, que se encerrou com a venda para Edgar Kaiser Jr.

O período de Kaiser Jr. com os Broncos foi de poucos anos, entre 1981 e 1984. Porém, tem grande destaque até hoje em nossa história devido, principalmente, ao Draft de 1983 e aos reflexos que os acontecimentos daquele ano causam até hoje em nosso time.

A negociação com Robert Irsay, dono do Baltimore Colts, nos rendeu John Elway, o Quarterback que nos levou a sete de nossas oito aparições em Super Bowls, seja como jogador ou como General Manager. Mas em março de 1984, a franquia passou por mais uma negociação, com Pat Bowlen assumindo 60,8% do Denver Broncos. No ano seguinte ele adquiriu o restante da franquia. Mesmo se envolvendo em diversos negócios, o Broncos era diferente. Bowlen mergulhou no negócio, realocando-se de Edmonton, no Canadá, para Denver. Ele se envolveu no dia a dia da organização até se afastar devido à doença de Alzheimer, trinta anos depois.

Pat Bowlen após a vitória no Super Bowl XXXII.

“Eu acho que a diferença (entre Kaiser e Bowlen) é que Pat tem uma crescente obsessão por vencer. Se organizações são construídas de cima para baixo, então Pat é provavelmente o dono perfeito para nós”, disse Tom Jackson, futuro Ring of Famer, que deu esta declaração durante a primeira temporada de Bowlen no comando. John Elway também reforçou a fala de Jackson, dizendo que “não há dúvida que ele quer vencer. As aquisições que ele fez, a disposição em pagar jogadores para mantê-los aqui. Vencer é a coisa mais importante para ele.”

Para Bowlen, vencer significava tratar bem os jogadores, filosofia que ele rapidamente instituiu na franquia. Pat também era um atleta, tendo completado maratonas e o triatlo Ironman em sua carreira como corredor, então ele compreendia o que satisfazia seus jogadores, colocando-os no caminho do sucesso.

“Basicamente eles querem ser tratados como seres humanos, não como bens ou peças de um equipamento” Bowlen disse em seu primeiro ano com os Broncos. “Isso é tão importante quanto o dinheiro com que eles estão sendo pagos”.

Os impactos positivos desta mentalidade vencedora foram sentidos rapidamente pela franquia. Enquanto nos 24 primeiros anos da história dos Broncos, que podem ser intitulados de Era Pré-Bowlen, tivemos apenas oito temporadas com recordes vencedores, na “Era Bowlen”, que durou trinta anos se levarmos em conta o período em que ele influenciava diretamente no dia a dia do time, foram apenas cinco temporadas com recordes negativos. Seus predecessores conseguiram levar a franquia ao Super Bowl apenas uma vez, em 1977 na derrota para o Dallas Cowboys. Bowlen viu os Broncos sob seu comando chegar a sete Super Bowls e vencer três.

Mas os planos de vitória demoraram se concretizar. Apesar das sete temporadas vencedoras nos dez primeiros anos sob o comando de Bowlen e das três aparições em Super Bowl neste período, nas três esbarramos em nossos adversários e acabamos derrotados. Na temporada de 1986, apesar do episódio conhecido como The Drive em que John Elway percorreu 98 jardas em 5 minutos e 2 segundos para empatar a decisão da AFC contra o Cleveland Browns, acabamos derrotados no Super Bowl XXI pelo New York Giants por 39–20. No ano seguinte, chegamos novamente ao Super Bowl, sendo derrotados pelo Washington Redskins por 42-10. Duas temporadas depois,  chegamos ao Super Bowl XXIV contra o San Francisco 49ers e novamente acabamos derrotados, desta vez pelo triste placar de 55-10.

Pat Bowlen, Peyton Manning e John Elway em 2012.

Apesar desse retrospecto, o Denver Broncos se tornou uma franquia vencedora com Pat Bowlen, alcançando vaga nos playoffs na maioria das temporadas sob seu comando e dominando a AFC West. A mentalidade de campeão de Bowlen, somada a seu forte envolvimento com a franquia, fez de nós três vezes campeões. Por mais que Pat já tivesse afastado suas influências diretas na franquia por lutar contra a doença de Alzheimer, o Denver Broncos adquiriu a aura de campeão que Bowlen trouxe. John Elway, ao receber o Vince Lombardi no Super Bowl 50, disse: “This one’s for Pat!” (“Este é para o Pat!”). Esperamos que venham muitos mais para dedicarmos a ele e, até lá, em cada vitória haverá uma parte de Pat Bowlen.

Bowlen foi perguntado em sua primeira temporada por quanto tempo pretendia seguir com o Broncos. Ele respondeu “para sempre”.