De Olho no Tampa Bay Buccaneers – Week 4

Saudações torcedores e leitores de sangue laranja. Nesse domingo, teremos mais um jogo contra um adversário complicado fora de Mile High. Então, sem mais delongas, vamos analisar o Tampa Bay Buccaneers no “De Olho” dessa semana.

Denver Broncos @ Tampa Bay Buccaneers

Os Buccaners são um dos times mais perigosos da liga, com uma defesa arrumada e um ataque montado para big plays, porém, nessas primeiras semanas, eles vem encontrando dificuldades nos dois lados da bola. O time permitiu mais de 35 pontos em duas de suas três partidas até aqui, e o ataque tem sofrido basante com turnovers. Por outro lado, o nosso Denver Broncos está em ótima fase e vai até o Raymond James Stadium em busca do 4-0.

Tampa Bay Buccaneers – Ataque

Buccaneers quarterbackQuarterback: A primeira escolha overall do draft de 2015, Jameis Winston impressionou muita gente com a evolução que teve durante a sua temporada de rookie. Em 2016, as expectativas para ele são grandes, mas até aqui, ele não vem correspondendo a elas. Na primeira semana, contra o Atlanta Falcons, ele lançou 4 touchdowns e 1 interceptação, na semana seguinte, foi até Arizona e lançou apenas 1 touchdown e incríveis 4 interceptações contra os Cardinals. Então, podemos dizer que o jogo dele ainda está muito instável, não sabemos o que esperar dele durante os jogos. Em uma semana, ele fez seu rating cair de 125.1 (o que é ótimo) para 39.2 (o que chega a ser pífio).

No último domingo, os Buccaneers enfrentaram os Rams, no jogo em que Aaron Donald e companhia anularam completamente o jogo corrido da equipe de Tampa Bay, fazendo com que Winston fizesse 58 passes durante a partida. Os Rams saíram de la com a vitória, e isso é exatamente o que vamos tentar fazer essa semana. Winston pode ser o ponto forte da equipe dos Bucs, mas também é o mais fraco, todo quarterback que precisa lançar 58 vezes para tentar vencer a partida, acaba ficando exposto e vulnerável, isso não é nada bom quando se enfrenta a melhor defesa da NFL.

Corredores: Charles Sims e Doug Martin formam uma ótima dupla de running backs. Em 2015, Martin registrou 1.402 jardas terrestres, o que o deixou entre os três primeiros no quesito. Para nossa sorte, as coisas estão diferentes por lá esse ano, em três jogos, são apenas 173 jardas combinadas de Martin e Sims em 51 carregadas, com uma média de 3.3 jardas em cada. Sims também participa ativamente do jogo aéreo, já são 12 recepções para 105 jardas e 1 touchdown este ano.

Tampa Bay tem encontrado dificuldades para impor o jogo corrido, enfrentaram front sevens de qualidade contra Cardinals e Rams e não conseguiram fazer nada pelo chão nessas partidas. Espero que isso se repita nessse domingo. Wolfe, Sly e Marshall, precisam colocar Martin e Sims na gaiola, para que Winston precise soltar o braço contra a No Fly Zone ou recorrer as screens para avançar em campo. Anular o jogo corrido será muito importante para nós. 

Recebedores: A foto no espelho de Chris Harris Jr. essa semana é a de Mike Evans. Desde 2014, o wide receiver de Texas A&M está jogando em alto nível. Foram 1.051 jardas em seu ano de rookie e outras 1.206 em 2015. Durante os primeiros jogos desse ano, Evans já colocou mais 301 jardas e 3 touchdowns na conta. Os demais wide receivers não oferecem tanto perigo para nossa defesa, Adam Humphries e Vincent Jackson são razoáveis, mas Talib e Roby vão coloca-los no bolso (eu espero).

Wade Philips sabe bem que precisamos de um game plan focado em Mike Evans, sabemos que Chris Harris Jr. consegue anular todos os recebedores da NFL (que não se chamem Antonio Brown), mas nesse jogo, não podemos depender disso. Evans será a válvula de escape de Winston quando estiver em pressão, se tirarmos isso dele, Miller e Ray poderão aparecer para destruir o jogo. Dirk Koetter, o head coach dos Bucs, não está lá à toa, com certeza espera algo diferente de nosso coordenador defensivo e vai estar preparado para isso, por esse motivo, precisamos que Talib e Roby façam seu trabalho contra os outros recebedores para dificultar ainda mais a vida dos Bucs e seu jovem quarterback.

Linha Ofensiva: Um dos melhores grupos da NFL, a linha ofensiva dos Buccaneers é tão sólida quanto qualquer outra na liga. Ano passado foram apenas 25 sacks permitidos (4º melhor marca da liga) e 4.8 jardas por corrida (2º melhor). Nessa off season, um dos melhores left guards da história, Logan Mankins, decidiu que seus sete Pro Bowls em onze anos de carreira eram suficiente e agora está esperando um convite de Canton para ir ao Hall da Fama. Então, os titulares são: Demar Dotson, Ali Marpet, Joe Howley, J.R Sweezy (que veio dos Seahawks nessa off season) e Donovan Smith.

Encontraremos algumas dificuldades contra esse grupo, precisamos pressiona-los em todos os pontos, pois se eles ficarem à vontade na partida, não encostaremos um dedo sequer em Jameis Winston e também não vamos chegar em Doug Martin no back field. Como em todos os jogos, a atuação de nosso pass rush será determinante para o resultado, e é por isso que eu acho essa partida a mais perigosa até agora. Individualmente eles não nos ameaçam, mas se conseguirem nos envolver em seu game plan, não voltaremos para Denver com o 4-0.

Tampa Bay Buccaneers – Defesa

Linha Defensiva: O destaque desse grupo é Gerald McCoy. Draftado na terceira escolha overall do draft de 2010, McCoy já tem quatro Pro Bowls no currículo e é respeitado na liga como um dos três melhores jogadores na posição de defensive tackle. A linha se completa com Akeem Spence, Robert Ayers e William Gholston, sem mencionar a 39º escolha overall do draft desse ano, Noah Spence, que também tem seus snaps entre os titulares.

Quando o assunto é parar corridas, esses jogadores estão entre os melhores, são apenas 294 jardas corridas até aqui, então Anderson e Booker vão ter que trabalhar muito para sair de lá com mais de 100 jardas combinadas. Em relação a pressão no quarterback, não acho que será um grande problema para nós, pois Siemian tem um quick release que facilita na proteção e Russel Okung está dominando completamente o pass rusher que trabalha no lado cego de nosso quarterback.


Buccaneers linebackersLinebackers: É aqui que essa defesa se torna especial
, Kwon Alexander, Lavonte David e Daryl Smith formam um exímio grupo de linebackers que é a engrenagem principal desse time pela importância que tem para o esquema defensivo de Dirk Koetter.

Desde 2002, os Buccaneers tem uma das tradições mais fortes da liga no lado defensivo da bola. O time que conquistou o Super Bowl XXXVII naquele ano, teve uma defesa que está entre as melhores já vistas na NFL. Baseados no esquema Tampa 2, que faz com que os linebackers sejam os protagonistas do time, eles mostraram que a cobertura por zona pode levar um time até o título do Super Bowl, e foi isso que aconteceu, os Bucs venceram o Super Bowl por 42-21, com três touchdowns defensivos contra o MVP da temporada Rich Gannon e seu Oakland Raiders. Essa defesa por zona é mantida até hoje na equipe, e merece uma atenção especial. Panthers, Seahawks e Jets são apenas alguns exemplos de times que aderiram o estilo e hoje dominam os ataques adversários. Todo cuidado do mundo é pouco por parte de Gary Kubiak nas chamadas ofensivas, não podemos deixar que a inexperiência de Trevor Siemian seja determinante nesse jogo. Um play book simples com leituras simples, é isso que precisamos essa semana.

Secundária: Alterraun Verner, Brent Grimes e Vernon Hargreaves é um dos únicos trios de cornerbacks que chegam perto do nível do nosso. Esses jogadores conseguem dominar quase completamente as ações dos recebedores adversários. Porém, devido ao estilo defensivo do time, eles dão bastante campo para os wide receivers trabalharem, mas não se engane, a qualquer momento a bola pipoca e pode acabar na mão de um deles.

Eu disse que a secundária dos Bengals seria a mais difícil de enfrentar até aquele momento e vi Thomas e Sanders terem o melhor jogo do ano. Bom, espero que isso aconteça de novo essa semana, pois sem dúvida nenhuma, a secundária dos Buccaneers vai dificultar nossa vida.

Tampa Bay Buccaneers – Special Team 

Eles não costumam definir jogos no special team, tem apenas 100 jardas combinadas de retorno de punts e kick offs nesses três jogos. Bryan Anger tem 15 punts esse ano para um total de 720 jardas, o mais longo viajou 59. Já a surpresa do draft, Robert Aguayo, está 1/3 em field goals e vem deixando a desejar.

Field Goal da Semana 4

Denver Broncos 27-20 Tampa Bay Buccaneers

Vocês acham que conseguiremos voltar para casa com o 4-0, ou Winston e companhia vão estragar nossa viagem até a Florida? Comentem e compartilhem para espalhar a palavra.

#GoBroncos.