A sorte afeta o trabalho de um novo técnico?

Gary Kubiak foi apresentado como novo técnico do Denver Broncos, mas será ele um bom técnico? Será excelente? Será demitido em duas temporadas? Venceremos o Super Bowl? Como será nossa vida como torcedores daqui pra frente?

Nossos amigos do IAOFM escreveram um post para ter uma noção do quanto a aleatoriedade pode influenciar no sucesso ou fracasso de um novo técnico. Vamos a ele?

Esse post foi escrito logo que John Fox foi contratado, e, coincidentemente, ele retrata um período aleatório de quatro anos, o período que ele durou em Denver.

Vamos começar nossa Liga. Chamemos essa liga de BBFL, Broncos Brasil Football League. Você sempre quis fazer isso, não? Agora, ao invés de você ser herdeiro de uma família rica, estou dando um time a você. Sim, sou legal assim. Aproveite. As regras dessa liga são bem simples. Nem mesmo precisamos pagar ao Goodell seu salário baixo. Será tudo decidido na sorte.

– Temos 32 times.
– Todos os times têm um novo técnico.
Doze desses trinta e dois times irão para os playoffs todos os anos.
– Todos os times têm a mesma probabilidade de chegar aos playoffs todos os anos (37,5%, ou 12/32).

Jogaremos quatro temporadas.

Por que quatro temporadas? Bem, é o tempo padrão de contrato de um novo técnico. Foi o tempo que Fox durou, e é o tempo inicial do contrato do Kubiak. Mas quem está contando, não é mesmo?

A Primeira Temporada dos Times com o Novo Técnico

Depois da nossa primeira temporada, vinte dos nossos times ficam de fora dos playoffs, e, como esperado, doze foram escolhidos pelo destino para a pós-temporada. Para quem se lembra bem, com 37,5% dos times chegando na pós-temporada, 62,5% deles não chegam lá.

Os torcedores desses times deveriam ficar incomodados? A não ser que seu time tenha draftado um running back que se machucou muito, ou gastou uma pick alta num jogador que foi um bust total, não. Lembre-se, esta é a primeira temporada do técnico. Ele precisa de tempo para implementar seu sistema. Talvez o time estivesse acostumado a uma cultura de derrotas, e vai demorar um pouco para mudar isso. Melhor ainda, ele tem que trazer o seu cara para ser quarterback. Então os torcedores dão um sossego para esses técnicos.

E quanto aos times que chegaram aos playoffs? Bem, a história aí é diferente. Os torcedores desses times estão em festa. As redes sociais pipocam de mensagens positivas sobre a mudança de atitude dos jogadores. Se um técnico fez um training camp bem intenso, a mídia vai nos dizer que ele deu aos jogadores a dose necessária de trabalho duro. Se ele pegou leve, dizem-nos que ele é um técnico amigo dos jogadores. Talvez um dos técnicos será até mesmo chamado de “Gênio”.

Dependendo das circunstâncias e da situação na qual o time se encontrava, ouviremos coisas como “De pior a melhor”, e “artista da reviravolta”.

Ah, claro, não se esqueçam de que isso tudo é aleatório.

A Segunda Temporada

Depois da nossa segunda temporada, novamente doze times chegaram aos playoffs. Alguns deles podem ter ido aos playoffs no ano anterior, outros são times novos.

Uma árvore de probabilidades simples pode ajudar a clarificar como as coisas ficariam:

Essa árvore mostra as duas primeiras temporadas. Na segunda temporada, os doze vencedores da temporada um têm a mesma probabilidade de chegar aos playoffs do ano anterior (37,5%) O mesmo vale para todos os vinte times que não chegaram lá.

Então, depois de duas temporadas de jogo, 4,5 dos nossos times foram para os playoffs duas vezes. Você pode apostar que os torcedores desses dois times estão bem satisfeitos com seus novos técnicos. O GM e o dono do time são considerados “sábios” se eles contrataram um técnico experiente. Eles são chamados de “inovadores” se contrataram um cara novo, com pouca experiência anterior. A torcida quer que esses técnicos ganhem contratos mais longos tão cedo quanto possível.

Quinze times da nossa liga foram aos playoffs uma vez. A base de torcedores está dividida. Há comentários contraditórios nas redes sociais e sites por aí. Alguns chamam o técnico de sortudo. Alguns dizem que conhecerão de verdade o técnico na terceira temporada. Mas, acima de tudo, a maior parte dos torcedores pede paciência. Esses técnicos ainda precisam de tempo para implementar seu sistema, é o que dizem.

12,5 dos nossos times deixaram de ir para os playoffs por duas temporadas seguidas. Seus torcedores não estão felizes. Os jornalistas locais já começam a falar de coisas como “cabeça a prêmio“, “na corda bamba“, coisas do tipo. A torcida vaiou o time no último jogo em casa. Se um dos técnicos desse time conduziu um training camp duro, ele é chamado de “rígido”. Se ele conduziu um TC leve, talvez ele não seja duro o bastante para ser um bom técnico da NFL.

Novamente, precisamos lembrar que essas temporadas foram geradas aleatoriamente.

A Terceira Temporada

Cada time tem, novamente, uma chance de 37,5% de chegar aos playoffs, e 62,5% de não chegar. Ao invés de fazer outro gráfico (que vai ficar para o fim da temporada 4), aqui vão os resultados depois do terceiro ano:

– 3 Temporadas Seguidas de Playoffs: 1,69 Times
– 2 Temporadas de Playoffs: 8,44 Times
– 1 Temporada de Playoff: 14,06 Times
– 3 Temporadas Seguidas sem Playoffs: 7,81 Times

Arredondando para cima, os dois times que tiveram três temporadas consecutivas de playoffs estão criando apelidos para seus técnicos. Vamos chamar um de “O Queixo“, já que esta é a principal característica dele. Vamos chamar o outro de “O Mestre“. Por que não? Com certeza (não importa que isso é completamente aleatório), ele fez chamadas altamente inteligentes. Se os donos do time não estenderam o contrato deles, estão loucamente tentando fazer isso. É interessante notar que, depois de todos esses anos, a mídia começa a falar sobre todas as escolhas certas que os dois técnicos fizeram. Talvez o técnico conhecido como O Mestre planeje escrever um livro contando a todos nós a filosofia por trás dessas escolhas. Talvez ele dê ao livro o nome de “Pense Como Campeão“.

Oito dos nossos times chegaram à pós-temporada duas vezes. Esses técnicos não estão em risco de serem demitidos. Eles são considerados bons técnicos, e dizem que seus times só precisam de algumas peças para voltar aos playoffs.

Catorze dos nossos times foram aos playoffs apenas uma vez nas três temporadas. A torcida começa a ficar preocupada (e os donos também). Será que a escolha desses técnicos foi certa? Um desses técnicos, o que foi chamado de “Gênio” depois de levar o time aos playoffs em sua primeira temporada, não está, oficialmente, na corda bamba.

Oito dos nossos times não foram nenhuma vez aos playoffs. Que se danem. Eles são técnicos terríveis. O Front Office tem que pensar rapidamente em uma forma de demitir esses técnicos, eles não servem para a NFL.

A Quarta Temporada

Depois de quatro temporadas, a árvore de probabilidades está confusa, mas acho que essa imagem vai ajudar (Clique para ampliar).

Numericamente falando, é assim que a árvore fica:

– 4 Temporadas Seguidas de Playoffs: 0,63 Times
– 3 Temporadas de Playoffs: 4,22 times
– 2 Temporadas de Playoffs: 10,55 times
– 1 Temporada de Playoff: 11,72 times
– 0 Temporadas de Playoffs: 4,88 times

Então, depois de quatro temporadas de aleatoriedade, nas quais todos os times tinham as mesmas chances de chegar aos playoffs, apenas um time (arredondando para cima) conseguiu quatro temporadas seguidas de playoffs. Acho que sabemos o que acontece depois disso. Os repórteres pegam qualquer coisa do técnico que comandou esse time (talvez ele use moletom com capuz, com as mangas cortadas e fale em frases vagas) e transformam em ouro, digna de notícias. Livros são escritos sobre ele. E os outros times tentam copiar tudo o que viram esse homem fazer, independentemente do fato de que tudo isso é aleatório. Alguns outros times podem acusar o técnico de trapacear, mas, depois de quatro temporadas seguidas de playoffs, ignorarão isso, e ele simplesmente será aclamado por sua competitividade.

Os quatro times com três temporadas de playoffs estão felizes com seus técnicos. Eles provavelmente terão seus contratos estendidos.

Os times com duas temporadas de playoffs (10,55 deles) estão com sentimentos mistos. A torcida se pergunta “Por que esse cara tem temporadas tão variadas?

Os times que tiveram apenas uma temporada de playoffs, a grande maioria dos 22, estão infelizes e buscando um novo técnico. Muitos deles foram chamados de “soft” e “fracos”. Talvez haja acusações de um repórter local de que ele não controla os jogadores como deveria.

Cinco times (arredondando para cima) tiveram quatro temporadas seguidas sem aparecer nos playoffs. Seus técnicos já não têm mais empregos. Quem manda não time não se importa que isso tudo foi aleatório. Nem a torcida.

O cara chamado de “Gênio” conseguiu um novo emprego. Ele saiu de um time perdedor para outro.

O Problema de Ser Orientado Por Resultados na Avaliação de um Técnico

Todos conhecemos o ditado de que “A História é escrita pelos vencedores“. Livros de autoajuda são escritos por aqueles que tentaram algo em suas vidas e deu certo. Se ações de uma empresa estiveram em alta por dois anos seguidos, logo depois que um novo gerente foi contratado, nós assumimos que ele é habilidoso nisso, não sortudo. Raramente mencionamos que, anteriormente, esse gerente havia afundado outra empresa. Compramos uma ação dessa empresa. Essa ação sobe. Deduzimos que temos uma visão de negócios acima da média. Empresários que são bem-sucedidos em fazer as ações de suas empresas subirem aparecem nas capas de revistas, elogiados por seu apetite por risco, e como foram inteligentes em suas escolhas. Os outros mil empresários cujas companhias tiveram ações que caíram (que também tinham apetite pelo risco) nunca chegaram às capas de revistas.

O mesmo vale para os esportes. Não importa que esportes sejam complexos e cheios de aleatoriedade envolvida no curso de uma temporada, gostamos de acreditar que a sorte é igual à preparação somada à oportunidade. Esquecemos de que, na NFL, todos os técnicos estão preparados.

Ainda assim, alguém tem que vencer. Podemos simplesmente criar uma narrativa e contar a história em retrospectiva, para justificar os comos e os porquês.

Claro que existem times que estão sempre nos playoffs, geralmente times com quarterbacks de elite, como Tom Brady e Peyton Manning. Eles desafiam essa lógica, ao aumentarem as chances dos seus times. Da mesma forma, há times que sempre dão vários tiros nos pés, e diminuem suas chances.

Mas esse post teve a intenção de mostrar como, de forma completamente aleatória, teremos um time bem sucedido todos os anos e uma quantidade deles ainda maior que não terá sucesso algum. E que o sucesso ou fracasso de um técnico no comando de um time não depende unicamente de suas capacidades, mas a sorte tem um fator preponderante também.