Demaryius Thomas em foco

Demaryius Thomas em foco

Olá, amigo leitor e torcedor do Denver Broncos. Se tem uma coisa que eu gosto é um bom debate, uma dúvida criada, algo que é possível quando se tem mais de 2 mil pessoas interagindo diariamente. E um dos nossos leitores na fanpage levantou a hipótese de que Demaryius Thomas podia ir embora, pois só é bom por causa de Peyton Manning.

Decidi usar os dados do Pro Football Focus para ajudar a analisar essa afirmação.

Mas antes, vamos conhecer um pouco mais o passado de DT.

Demaryius Thomas na High School

DT foi aluno da West Laurens High School, e foi estrela de três esportes: basquete, futebol americano e atletismo.

No atletismo, foi quarto colocado estadual no salto triplo, saltando 13,92 m, conseguiu seu melhor tempo nos 100 metros rasos de 10,99 segundos e participou do time de revezamento 4×100.

No futebol americano, ele chegou a 1234 jardas no seu melhor ano, sendo eleito duas vezes para o time das estrelas da região. De tanto sucesso, recebeu oferta de bolsa de três faculdades, mas optou pela Georgia Tech.

Demaryius Thomas no College

Como é comum no college, DT passou o primeiro ano sem jogar, como redshirt. Em seu segundo ano, ele passou das 500 jardas, com média de 15,9 por recepção, e 4 TDs. Em 2008, com um novo técnico, que estabeleceu um time que corria muito, jogando em triple offense, DT conseguiu 627 jardas, algo que é bastante positivo, num time que tem o jogo corrido como opção principal. Num jogo contra a Duke, ele atingiu 230 jardas, a segunda maior quantidade na história da faculdade.

Em seu terceiro ano jogando, ele simplesmente arrebentou. Foram 1154 jardas, maior número na ACC, 8 TDs, segundo maior número, e 25.1 jardas por recepção, também o segundo maior número. Suas 19.5 jardas por recepção na carreira na faculdade dão a ele a quinta maior média da história da ACC. Ele recebeu todas as honras possíveis de indicações, e estava com o moral bem alto. Por isso, optou por se declarar elegível ao draft, e estava cotado como um dos dois melhores WRs da classe, ao lado de Dez Bryant.

Demaryius Thomas na NFL

DT foi draftado pelo Denver Broncos no primeiro round do draft de 2010, na 22ª posição. Ele foi, de fato, o primeiro WR a sair. Dez saiu duas posições depois, draftado pelo Dallas Cowboys.

Logo em seu primeiro jogo, ele mostrou que era diferenciado. Recebendo passes de Kyle Orton, 26º colocado entre os 37 QBs que jogaram ao menos 25% dos snaps do seu time, ele teve 8 recepções pra 97 jardas e um TD. Foi apenas o nono rookie na história da NFL a ter 8 recepções ou mais em seu primeiro jogo desde 1970, e a segunda melhor marca por um calouro na história da franquia. Seu segundo TD foi ainda mais marcante, quando ele venceu Darrelle Revis para marcar contra o New York Jets.

Sua temporada terminou mais cedo do que deveria, tendo sido marcada por lesões. Ele terminou 2010 com 10 jogos, sendo 2 como titular, 283 jardas em 22 recepções e 2 TDs.

Naquele ano, o PFF colocou Demaryius Thomas na 43ª posição de 213 WRs que entraram em campo, o melhor de Denver depois de Brandon Lloyd, que foi o melhor da liga naquela temporada.

Em 2011, o ano de DT não parecia promissor. Depois de romper o tendão de Aquiles fazendo exercícios na offseason, foi anunciado pelo time que ele perderia parte da, senão toda a, temporada. Ele, porém, surpreendeu, e foi ativado pra jogar. Entretanto, em seu primeiro treino de volta, ele quebrou seu dedinho da mão esquerda, e ficou de fora dos cinco primeiros jogos.

Ao voltar, foi o responsável por receber o primeiro TD de Tim Tebow, contra o Miami Dolphins. Curiosamente, ele também receberia o último TD de Tebow.

Depois de ficar alguns jogos enterrado no game plan, fundamentalmente corrido, ele estabeleceu recordes da franquia em jardas recebidas e alvos nos últimos sete jogos da temporada. E o último ato dele com Tebow foi mágico. 4 recepções apenas, para 204 jardas e 1 TD, o que determinou a vitória contra o Pittsburgh Steelers, é o TD mais longo da história das prorrogações e encerrou a prorrogação mais rápida da história da liga. É a maior quantidade de jardas recebidas por um receiver em jogos de playoffs na história da franquia, e a segunda maior média de jardas por recepção na história da NFL. Terminou o ano com 551 jardas em 32 recepções e 4 TDs.

Pelo PFF, em 2011, ele foi o 53º melhor WR, de 115 que jogaram pelo menos 25% dos snaps de seus times, e o melhor de Denver, mesmo tendo jogado apenas 542 snaps. Ele ficou na frente de Chad Ochocinco, Brandon Marshall, Julio Jones, Randall Cobb, AJ. Green, Torrey Smith e DeSean Jackson, pra citar alguns.

Na temporada de 2012, DT teve sua primeira offseason de NFL sem lesões. Só tinha os pinos do dedinho pra tirar, o que o impediu de treinar com Peyton Manning, como Eric Decker fez. Ele, então, decidiu se esforçar pra treinar rotas, já que seu dedo não impedia isso, e foi logo notado por Manning por seu tamanho, força e velocidade.

E logo no primeiro jogo da temporada, deu frutos. Assim como fez com Tebow, Demaryius Thomas foi o autor do primeiro TD de Peyton Manning como Denver Bronco. E não pensem que o mérito foi de Manning. DT recebeu o passe cinco jardas à frente da linha de scrimmage, e o transformou num TD de 71 jardas.

Com Manning, veio um time focado no jogo aéreo, e, assim como seu companheiro de time Eric Decker, Demaryius tirou vantagem disso. Passou das 1000 jardas pela primeira vez na carreira, chegando a 1434 em 94 recepções, e 10 TDs. Foi também seu primeiro ano como titular, e o primeiro em que jogou todos os 16 jogos da temporada regular. Também foi sua primeira vez no Pro Bowl.

Pelo PFF, ele terminou o ano como o segundo melhor WR da liga, atrás apenas de Andre Johnson (do Houston Texans, treinado pelo nosso atual HC Gary Kubiak, um tapa na cara de quem fala que o foco dele é só no jogo corrido). Eric Decker, que recebeu um snap a mais que DT, terminou 40 posições abaixo, com o mesmo QB, tendo passado também das 1000 jardas e tendo marcado 3 TDs a mais.

No ano do Super Bowl, Demaryius Thomas continuou a ser uma força dominante. Na temporada regular, conseguiu 4 jardas e 2 recepções a menos que no ano anterior, mas com 4 TDs a mais. Nos playoffs, teve uma média de 102 jardas por jogo, marcando 3 TDs e batendo o recorde de recepções na história do Super Bowl, com 13.

Pelo PFF, ele foi o quinto melhor WR da liga em 2013, e Decker, seu companheiro de equipe, terminou em 12º.

Se os dois anos anteriores foram bons para ele, 2014 foi ainda melhor. Mesmo com Peyton Manning com dificuldades no fim da temporada, e o time mais focado em correr com a bola do que passar, Demaryius bateu o recorde da franquia em jogos com 100 jardas ou mais, com 10, sendo 7 deles seguidos, a segunda maior marca seguida da história liga, e a maior da franquia, quebrou o recorde de jardas recebidas, com 1619 e ficou a apenas duas recepções de igualar o recorde de Rod Smith, que recebeu 113 passes em 2001. Com 11 TDs, ele chegou ao 3º ano seguido com 10 ou mais, e conseguiu pelo terceiro ano seguido ir ao Pro Bowl. Também foi o segundo ano como All-Pro da Associated Press.

Pelo PFF, novamente ficou na quinta posição, com seu companheiro de time, agora Emmanuel Sanders, em oitavo.

Voltando um pouco a fita, se tem algo que eu acho que é importante para comparar o quanto de jardas um WR tem conquistadas por ele ou pelo quarterback, é ver o número de jardas depois do catch. É fácil conseguir 1000 jardas quando tudo o que tem que fazer é correr a rota e pegar o passe. Difícil é conquistá-las no chão, recebendo passes curtos e transformando-os em longas conquistas. E Demaryius Thomas é mestre nisso.

Em 2014, ele foi o segundo colocado em número de jardas depois do catch, conquistando 668 delas (41.26% das suas jardas totais). No ano anterior, ele foi o primeiro, com 706 (49.38%). Em 2012, ele foi o terceiro, com 555 (38.7%).

Curiosamente em 2011, quando conseguiu 551 jardas totais, ele teve o menor percentual delas depois do catch, 127, equivalendo a apenas 23.05%. Isso significa que Tim Tebow deu, proporcionalmente, mais jardas aéreas a Demaryius Thomas do que Peyton Manning.

Outras duas marcas interessantes a respeito de um receiver são seus fumbles e drops. Considerando de 2011 pra cá, que foi quando ele viu mais ação, em 2011, foram 5 drops em 65 alvos (7.7%) e nenhum fumble. Em 2012, 11 drops em 138 alvos (7.9%) e três fumbles em 94 toques na bola (3.2%). Em 2013, foram 9 drops em 138 alvos (6.5%) e 1 fumble em 92 toques na bola (1.1%). Pra completar, em 2014 foram novamente 9 drops, mas desta vez em 178 alvos (5%) e nenhum fumble em 111 toques na bola.

Esse números todos indicam que, nos fundamentos principais que diferenciam um WR de outro, independentemente do seu quarterback, DT prova ser um bom receiver.

Ele é confiável em screens e outros passes curtos, sendo capaz de quebrar tackles e conquistar uma grande parcela de suas jardas depois de receber o passe, quebrando um pouco o argumento de que Manning o transformou em quem é. Ele tem diminuído seus drops a cada ano, e não cometeu nenhum fumble no ano passado, tendo se tornado cada vez mais confiável.

Depois de 3 anos seguidos entre os 5 melhores WRs da liga pelo PFF, e entre os 5 melhores em pontos de Fantasy (estando no top 3 da posição e top 10 geral nos últimos dois anos), acredito que posso bater o martelo e dizer que, se por um lado Demaryius Thomas foi grandemente ajudado por ter um Quarterback como Peyton Manning, por outro, PFM teria muito mais dificuldade em obter sucesso em Denver se não tivesse um WR como DT à sua disposição. Ele foi estrela no ensino médio e na faculdade, e teve destaque com Kyle Orton e Tim Tebow de quarterbacks. Ele é pra valer.

Ele merece ser pago como um dos melhores da posição, e, não à toa, vai receber a tag caso um contrato de longo prazo não possa ser trabalhado. Acredito que, de qualquer jeito, Demaryius Thomas ainda vai nos dar muitas alegrias.

E qual sua opinião sobre DT? Obrigado ao leitor que discordou da opinião geral. Ele me deu uma ótima ideia de post.

#GoBroncos!