Analisando Peyton Manning até 2012

Olá, pessoas, tudo bom?

Sou o LH Almeida, e começo hoje minha jornada com vocês aqui no Broncos Brasil. Depois de pensar muito no tema do meu primeiro post, decidi começar por aquilo que fez com que nosso time se tornasse o maior foco da mídia na offseason: Peyton Manning.

Todos sabem da novela Peyton Manning, que culminou com sua chegada à Mile High e a ejeção do milagreiro Tim Tebow para os Jets. Mas será que os resultados dos primeiros jogos mostram que valeu à pena os 18 milhões investidos por seu primeiro ano? Vamos analisar.

Primeiro, os números:

Em cinco jogos, Peyton completou 66% dos passes, lançando pra 1507 jardas, com 11 TDs e 3 interceptações. Se ele mantiver essa média, ele chegará a 4822 jardas, 35 TDs e 10 interceptações na temporada regular. Isso seria o recorde de jardas e o menor número de interceptações de sua carreira, e o segundo maior número de TDs, perdendo apenas para os 49 de 2004, quando estava no auge. Nada mal para um Quarterback de 36 anos, que ficou parado uma temporada inteira por causa de quatro cirurgias no pescoço.

Isso já garante que, se ele se mantiver saudável até o fim da temporada, ele ganhará o prêmio de Comeback Player of the Year. Já era o favorito ao prêmio, só vai confirmar o que todos esperavam.

Quanto à sua idade, John Elway ganhou seu primeiro Super Bowl um ano mais velho, repetindo a dose no ano seguinte. Isso significa que Peyton Manning tem totais condições de nos levar ao tão desejado troféu Vince Lombardi mais uma vez.

O melhor caminho para isso é ele continuar como está, e o resto do time ajudar. Demaryius Thomas tem demonstrado que pode ser brilhante, sendo o segundo em número de jardas totais e jardas depois da recepção, e o melhor da liga em passes pra mais de 20 jardas. O problema é que ele deixou a carne cair três vezes, duas delas cruciais nas duas últimas semanas. Se ele aprender a segurar a bola, será o novo Megatron em breve… E vai ajudar muito o time. Além disso, Willis McGahee tem que ser mais consistente. Ele teve uma variância enorme entre os jogos, e isso acaba atrapalhando também, quando ele dropa uma bola importante numa tentativa de conversão de quarta descida, ou quando deixa a bola cair a minutos do fim do jogo. Além disso, à exceção do jogo contra os Raiders (mas eles são café-com-leite este ano), o time parece um calhambeque: confiável e forte, mas demora um longo tempo pra pegar. Temos de entrar mais focados em campo para marcar mais pontos no primeiro tempo e, principalmente, ceder menos.

Aí entra o segundo ponto: a defesa. Não adianta nada nosso camisa 18 marcar 3 TDs por jogo, se a defesa cede 4 ou 5.  Só no último jogo foram pelo menos 3 conversões de 3ª descida pra mais de 15 jardas. Não dá pra cedermos essas conversões de 3ª pra um continente. Como foi dito brilhantemente num post recente, temos de encontrar um jeito de nos defendermos. O dominó inteiro não pode continuar caindo.

De positivo, o entrosamente de Peyton Manning com seus recebedores tem evoluído jogo a jogo. E a tendência é melhorar. Temos agora o jogo mais importante da temporada, quando visitaremos os Chargers. Eles estão 3-2, nós, 2-3. Se vencermos, assumimos a liderança da divisão, o que é muito bom agora que a parte mais difícil do nosso calendário já passou. Se perdermos, eles abrirão 2 vitórias de vantagem, o que não é o fim do mundo, mas torna a situação mais difícil. Ainda acredito que terminarmemos a temporada regular na liderança da divisão, com 10-6.

Nosso quarterback já fez história e garantiu sua passagem para o Hall da Fama. Mas tenho certeza de que ele tem capacidade para fazer muito mais. Quando encontrarmos com os Patriots de novo, nos playoffs, tenho certeza de que nosso time estará mais organizado. E, com uma melhor organização defensiva, Peyton Manning terá chance de brilhar e colocar mais um anel em sua estante de casa.

Bom, pessoas, espero que tenham gostado do meu primeiro post, é o primeiro que faço sobre FA especialmente para um blog especializado. Espero que os outros fiquem ainda melhores.

That’s all, folks.
Até a próxima.