Aspectos do jogo IX: Formação Nickel

Nesta continuação da série Aspectos do Jogo, trago um pouco de defesa e as formações em nickel utilizadas pelos times. Se você quiser dar uma olhada nos artigos anteriores da série, confira aqui a lista completa de todos os assuntos já abordados.

A formação de defesa em nickel é muito utilizada pela grande maioria dos times, já que atualmente a NFL é uma liga baseada em passes. Por esse motivo, também temos algumas variações dela em Denver e a idéia deste artigo é termos uma idéia melhor de como isso tudo funciona.

 

O que é uma formação nickel e para que ela é utilizada?

A formação nickel é uma formação defensiva que trás 5 defensive backs (entre cornerbacks e safeties) para o campo. O jogador “extra” substitui um jogador de outra posição, geralmente o MLB, e é chamado de “nickelback”. Ele pode jogar tanto como CB, que é o mais comum de vermos, quanto como S.

Essa formação não é tão antiga como você deve estar pensando. Ela foi introduzida no nível profissional pelo Miami Dolphins na década de 70. Antes disso, ela era raramente usada no college como um artíficio para certas ocasiõesO nickelback costumava entrar em blitz ou marcar zonas, mas quase nunca fazia man coverage como estamos acostumados a ver atualmente. Afinal, naquele tempo a bola não era passada com tanta frequência.

Se você precisa de mais velocidade no campo, e é muito provável que o outro time faça uma jogada de passe (possivelmente trazendo um WR adicional ao campo na posição de slot), você pode usar a formação nickel.

O desenho acima mostra uma formação de nickel base, onde o NB é um CB colocado no lugar do MLB para fazer a marcação do slot advérsario, próximo às trincheiras. Pela localização no campo que ele ocupa, pode marcar zona, homem ou até mesmo entrar em algumas variações de blitz. Para surpreender o ataque pode até mesmo executar um run contain.

Existe uma tendência na NFL em que alguns times estão usando as formações em nickel como formação base da defesa, ao invés das tradicionais 4-3 e 3-4. Um exemplo é a defesa do Green Bay Packers. Isso ocorre porque, além da grande maioria dos ataques atuais serem baseados no jogo de passes, a nova regra de não poder haver contato entre marcador e recebedor após as 5 jardas tornou a vida dos CBs muito mais difícil.

Então quanto mais jogadores de qualidade na secundária, melhor para conter os ataques atuais. Nosso front-office já declarou, através de John Elway, que um time nunca tem cornerbacks bons o suficiente no roster.

As blitz são sempre boas chamadas nessa formação. Geralmente quando isso ocorre, os DEs e DTs se alinham mais abertos, deixando intencionalmente um buraco no meio para o ataque “explorar”. Desse jeito, os DEs encontram menos tráfego em seu caminho para o QB e um LB é usado na cobertura do espaço aberto no meio por esse alinhamento.

Isso facilita uma blitz do NB, pois o RT (ou TE) já vai estar ocupado bloqueando o DE que se alinhou bem aberto, deixando uma rota livre para o NB chegar ao QB adversário. Claro que essa jogada traz um risco grande e precisa ser encerrada rapidamente, mas costuma pegar os ataques de surpresa e ter um resultado interessante se chamada com sabedoria e execudada com perfeição. Vimos isso algumas vezes ano passado quando o NB era o Wilhite, que não está mais no time esse ano.

 

Existem variações da formação nickel?

A inteligência do jogo nunca vai atingir seu limite e os técnicos estão sempre buscando novas e criativas soluções para as diferentes situações. Isso também se aplica nesse caso, e existem sim outras variações de formação nickel.

Na situação abaixo, o ataque colocou a defesa numa situação de dificuldade. Por terem um terceiro WR alinhado no slot, a jogada deles sinaliza ser um passe. Ok, mas e se essa formação ofensiva for utilizada numa situação próxima à marca de 1st down? E se a jogada em questão puder ser tanto um passe quanto uma corrida? E se ao invés de FB, foi um TE no campo? Para tentar responder a isso, temos essa formação defensiva chamada de strong nickel.

Nela, o SS fica próximo à LOS (Linha de Scrimmage), num alinhamento de acordo com o que ele vai executar naquela determinada jogada. O FS fica centralizado, para se ajustar ao fato de que não terá a ajuda do SS na cobertura de rotas profundas.

Um FB ou TE pode ser marcado tanto pelo SS quanto pelo LB mais próximo nessa formação, e a aparência dela é praticamente a de uma defesa 4-3 no caso de o ataque fazer uma corrida. Se o ataque passar, todos os WRs estarão cobertos por especialistas nisso (cornerbacks). No caso de ter um TE alinhado ao lado de algum dos tackles, frequentemente o DE pode ser usado para dar um bump nele e tirar o timing de uma possível rota.

Certamente existem mais variações de strong nickel, mas a ênfase é sempre utilizar o SS, a linha, ou uma combinação de ambos para exercer pressão no lado mais forte do ataque adversário. Se o coordenador defensivo tiver uma grande leitura de que a jogada será um passe, ele pode chamar uma outra variação de nickel, a famosa 3-3-5, usada para se conseguir mais velocidade e cobertura de LBs pelo meio:

Eu particularmente não sou muito fã das defesas 3-4, mas essa variação de formação nickel similar à 3-4 é uma das minha preferidas. Ela vai ser sucetível a um pequeno avanço se o ataque resolver correr, mas essa formação permite disfarçar uma infinidade de jogadas.

Você pode colocar seus CBs em cada WR (contando com ajuda no topo dos safeties) e ainda assim ter outros 3 jogadores para utilizar em zona, homem a homem ou blitz. Um jogador versátil para DE/OLB pode rapidamente fazer a transição entre uma formação base de nickel ou 3-3-5 com apenas 2 ou 3 passos antes do snap e isso deixa essa formação sempre muito interessante.

Existem ainda outras variações de nickel, como por exemplo o jogador “extra” adicionado ser um terceiro safety. Como essas idéias e formações são muito teóricas e raramente vistas na prática, não perderemos muito tempo com elas. Apenas como curiosidade, imagine uma formação comum de defesa 4-3. Digamos que você retire um defensive tackle e adicione um safety a mais.

Então você alinha seus 3 jogadores de linha defensiva e seus 3 linebackers poucas jardas atrás da linha, e os 3 safeties a cerca de 15-20 jardas atrás da linha de scrimmage. Essa formação se chama 33 stack, mas a imprensa muitas vezes a chama erroneamente de 3-3-5. Ambas são formações nickel, mas agora que você já entendeu as nuances dessas formações, vai saber reconhecer facilmente reconhecer as diferenças quando estiver assistindo uma partida.

 

Se você tiver alguma dúvida, sugestão ou quiser acrescentar algo, fique a vontade. Lembre-se que somos todos aprendizes e a troca de idéias e informações são fundamentais para o crescimento de todos nos aspectos do esporte que amamos.

GO BRONCOS!

Gostou do post? Clique em Like e Comente ;)