Aspectos do jogo IV: Gaps e Techniques

Continuando a série Aspectos do Jogo, é hora de falar sobres os gaps e as techniques da linha de scrimmage. Se você quiser dar uma olhada nos artigos anteriores da série, confira aqui a lista completa de todos os assuntos já abordados.

Nos últimos anos ficou comum ouvirmos alguém se referir a algum defensive lineman como “um DT 3-technique”. O termo é falado e escrito por aí sem muita explicação, mas nem sempre a pessoa que lê ou ouve sabe o que isso quer dizer. Este post pode ficar um pouco complicado, mas espero tentar tornar tudo o mais simples possível. Para isso, colocarei ilustrações sempre que preciso.


Gaps e Techniques

Para começar, os gaps e as techniques aqui descritos se aplicam tanto em defesas 4-3 quanto em defesas 3-4. O termo “technique” na verdade especifica um pedaço do campo e qual a responsabilidade daquele jogador naquele pedaço do campo.

Se qualquer jogador de linha defensiva se alinhar alguns passos para sua esquerda ou direita com relação à linha ofensiva, seus objetivos (e habilidades para realizá-los bem) mudam de acordo com que pedaço do campo ele foi parar.

As várias localizações do campo são numeradas e esses números são mais ou menos padronizados:

0-technique: O defensor se alinha frente a frente com o C;
1-technique: O defensor se alinha pelo ombro de fora do C;
2-technique: O defensor se alinha pelo ombro de dentro do G;
3-technique: O defensor se alinha pelo ombro de fora do G, entre o G e o T;
4-technique: O defensor se alinha pelo ombro de dentro do T, embora muitos técnicos coloquem seus jogadores 4-tech alinhados face a face com o T;
5-technique: O defensor se alinha pelo ombro de fora do T;
6-technique: O defensor se alinha pelo ombro de dentro do TE ou em média 1.5 jardas distante do T se não houver TE daquele lado;

A partir daí os números divergem um pouco; diferentes técnicos se referem de modos diferentes aos jogadores 7, 8 e 9 techniques, normalmente se referindo a um defensive lineman alinhado em qualquer lugar entre o ombro de fora do TE até 1 jarda ou 2 distante dele.

O valor absoluto do número também varia dependendo da posição do jogador e se ele é um defensive tackle ou defensive end. Raras vezes os jogadores se alinham pelo ombro de dentro do OL, temos portanto temos que a grande maioria dos DLs jogam numa technique de número ímpar.

Se acrescentarmos um zero ao final de qualquer um destes números, temos a referência para a localização dos linebackers. Por exemplo, se dizemos que um LB é 50-tech, isso quer dizer que ele está fora da linha de scrimmage (pela referência do zero no final) e posicionado entre um T e um TE pelo ombro de fora do T (pela referência do número cinco).

Assim temos que um DT 3-tech, em outro exemplo, é um jogador que se alinha entre o guard e o tackle, com todos os privilégios, direitos e responsabilidades associados à posição. Cada technique tem uma série de leituras e chaves específicas ao sistema defensivo, à formação ofensiva, ao down da jogada e à distância até o first down.

Na maioria dos sistemas e das jogadas, um tackle alinhado em 3-tech deve atacar seu gap imediatamente; em 4-tech, dar um passo para a direita ou esquerda empurrando o T para que um linebacker possa atacar o gap. Quando alinhado em 2-tech, o defensor deve tentar “ocupar” dois bloqueadores da linha ofensiva.

Para a maioria dos coordenadores defensivos, o ideal é ter um 3-tech que penetre no backfield em todas as jogadas; um 0-tech que ocupe dois bloqueadores e controle dois gaps; um pass rusher (5,7 ou 9 tech) que também precise de dois bloqueadores em todas as jogadas; e um pass rusher puro do outro lado.

 

O que são os gaps afinal?

Além das techniques, existem os gaps em todas as linhas ofensivas. Eles normalmente são nomeados por letras. O A-gap é o espaço entre o center e seus guards. O B-gap se encontra entre os guards e os tackles, enquanto o C-gap ocorre entre os tackles e os tight ends. O D-gap é o espaço após o alinhamento do tight end e, alguns técnicos, chamam de E-gap qualquer espaço entre o tight end e a parte interna do wide receiver:

Para evitar confusão, os técnicos usam os números para as techniques para marcar o posicionamento antes do snap e as letras para os gaps que designam qual espaço é a responsabilidade daquele defensor. Então por exemplo um jogador em 3-tech com responsabilidade no B-gap vai basicamente se alinhar pelo ombro externo do guard e atacar o gap B assim que o snap acontecer.

 

Sistema 1 Gap x Sistema 2 Gaps

Tão importantes quanto as techniques, são as responsabilidades de gap, vitais para o sucesso de qualquer defesa. Dependendo de cada jogada chamada e da filosofia do coordenador defensivo, um jogador de linha defensiva pode ficar responsável tanto por 1 quanto por 2 gaps.

A responsabilidade em 1 gap é relativamente simples: o defensor ataca aquele espaço e deve cuidar de qualquer coisa que aconteça nele. Ele deve tacklear o RB se vier por ali, ou então forçá-lo lateralmente de encontro a outro defensor que possa tackleá-lo. Se a jogada do ataque for um passe, então aquele gap é a rota do jogador defensivo até o QB do outro time.

Quando um defensor é encarregado de 2 gaps, precisa de muito mais disciplina. Um DT pode ser responsável por ambos os gaps A e B do seu lado da linha. Nesse caso, seu trabalho não será o ataque ao gap, mas sim ler a jogada e antecipar por qual gap um RB vai tentar passar. Ele precisa rapidamente entender que esquema de bloqueios a OL vai usar para saber qual gap vai estar mais vulnerável. Falarei de sistemas de bloqueios em posts futuros.

Nenhuma defesa usa exclusivamente o esquema de 1 gap ou de 2 gaps, assim como nenhuma defesa se alinha em cover-2 em todas as jogadas. No entanto, os coordenadores tem suas preferências e a maioria dos que usam uma defesa 4-3 gostam do esquema 1 gap, enquanto os que usam uma defesa 3-4 preferem o esquema 2 gaps.

Os jogadores, por sua vez, preferem o esquema 1 gap em sua maioria, porque assim podem atacar o gap já no momento do snap e ter seu trabalho facilitado e impulsionado mais por instinto que por leitura.

 

Controlando os gaps

Controlar um gap não é uma questão de atacá-lo e esperar que algo aconteça. No momento do snap, as linhas ofensiva e defensiva começam a se embaralhar e colidir com muita força. É preciso grande atleticismo e disciplina para um jogador de linha defensiva fazer seu trabalho adequadamente.

Fundamentalmente, todo jogador de linha quer vencer seu bloqueador. Vencer não significa fazer uma pilha com ele sendo jogado ao chão para depois mergulhar sobre ele no estilo Mortal Kombat, embora às vezes isso possa funcionar. Para vencer um OL, o jogador de DL precisa se ver livre do bloqueio que o OL vai tentar lhe impor.

Às vezes isso pode acontecer empurrando o adversário algumas jardas para trás para guiá-lo como um carrinho de mão, mas na maioria das vezes isso se dá quando um DL consegue manobrar o OL para uma posição no campo em que ele não queria estar.

Numa situação de 2 gaps, isso significa se ancorar no chão na sua posição e evitar os bloqueadores que vão tentar tirá-lo de algum dos gaps que você é responsável.

 

Essencialmente, este é o básico de como funciona uma linha defensiva e como cada jogador se comporta nela. Se vocês gostaram desse tipo de conversa comentem abaixo, assim futuramente posso aprofundar ainda mais nesse aspecto do jogo. E se tiverem sugestões de novos temas também sintam-se a vontade para falar.

O que você achou deste post? Tem algo a perguntar ou acrescentar? Consegui deixar simples e de fácil entendimento como gostaria?

GO BRONCOS!

Gostou do post? Clique em Like e Comente ;)