A jornada de Derek Wolfe até a NFL

O primeiro pick do Broncos de 2012 (que aconteceu na segunda rodada) foi o defensive lineman Derek Wolfe. Até poder chegar na NFL ele teve uma história de vida de muitas lutas e conquistas. Ele cresceu na cidade de Lisbon em Ohio, perto da fronteira com a Pennsylvania. Ele foi criado por sua mãe solteira e nunca conheceu seu pai.


Wolfe poderia ter virado profissional depois do seu ano como júnior (terceiro anista) na University of Cincinnati e recebido o dinheiro da NFL antes, mas ele optou por voltar para a universidade para o último ano.

“Se você não lutar por tudo o que tem, você rapidamente desistirá”, ele disse ao jornalista Vic Lombardi da CBS4. “Se for muito fácil, então você não vai apreciar. Eu aprecio tudo que eu tenho porque eu tive que lutar por tudo.”

O Vic Lombardi perguntou ao Wolfe se ele nunca quis ter conhecido seu pai.

“Isso não importa”, ele disse. “Se ele estiver por aí, tenho certeza que tem um monte de garotos querendo se juntar aos pais que não conheceram… Eu não sei nem o nome dele nem nada.”

Ele comentou que antes ele tinha curiosidade, mas não tem mais.

“Ele provavelmente não me conhece também, então que importa?”.

Wolfe permaneceu com a sua mãe até que seu padrasto se juntou a eles. Ele se afastou do casal desde então.

“Não tenho nenhum relacionamento com ela, sério. Eu perdoo tudo que ela tem feito, mas não a quero fazendo parte da minha vida.”

Wolfe tem uma família, eles apenas não são de sangue. Quando ele tinha 15 anos, se mudou para a casa do seu melhor amigo Logan Hoppel e passou a morar na fazenda da família Hoppel.

“Isso era como acampanhar numa barraca no quintal. Eu só iria ficar alguns dias e eu achava que eles não queriam que eu ficasse. Eles disseram que eu não era um instruso, mas eu me sentia assim. Então eu finalmente estava deixando meu amigo Logan mas a mãe dele me disse ‘Você não vai’“. 

‘Eu sempre considerei o Derek como um dos meus próprios filhos. Você sabe, você o ama e espera que ele tenha sucesso e você quer o melhor para ele”, disse Kris Hoppel. “As pessoas não escolhem sua família, mas aquelas pessoas que te cercam e com quem você se preocupa; eles se tornam a sua família.’

“Eles não me tratam diferente de quando eu tinha 15, 16 anos”, disse Wolfe. “Dois dias atrás eu estava limpando cocô de porco de um chiqueiro; passando o garfo de limpar lá porque os porcos estavam doentes e precisavam ter seu canto limpo e todos tinham saído. Meu músculo peitoral ainda está pagando por isso.”

Várias pessoas ajudaram o Wolfe durante sua jornada. Ele agradeceu seu técnico no colegial por todo o seu ensino.

‘Esse era o meu trabalho quando o conheci. Contei para ele que com seu tamanho e habilidade atlética, ele poderia conseguir uma bolsa de estudo’, disse o técnico Rich Wright.

Os Hoppels fizeram uma festa para o Wolfe na noite em que os Broncos fizeram a ligação. Ele disse que eles ficaram malucos quando ele os agradeceu por tudo que eles fizeram por ele.

“Eu acho que ser bem sucedido é o pagamento que eles merecem”, disse Wolfe.

 

História de vida sofrida e cheia de lutas a do nosso novo jogador. Será que ele vai conseguir ter sucesso na NFL em reconhecimento por tudo que sua família adotiva fez por ele?

GO BRONCOS!